Consórcio Maracanã atrapalha clubes

Clubes têm problemas para escolher valores do estádio

Por pedro.logato

Rio - Até há pouco tempo, o Flamengo teve algumas dificuldades para baratear os ingressos e, agora, é a vez de o Botafogo encarar alguns obstáculos em sua tentativa de atrair torcedores com a redução de preços, logo ele que precisa desesperadamente do apoio da galera. É estranho que as coisas aconteçam dessa forma porque o Consórcio Maracanã deveria ser o primeiro a procurar sempre um acordo com os clubes e entender que não será de uma hora para outra que se poderá elitizar o futebol.

Qualquer simples diferença de R$ 10 significa fechar a porta para muita gente. É provável que um estudo de viabilidade econômica até recomende que um alívio nos preços acabe gerando mais lucro. Na verdade, esse consórcio já foi muito beneficiado pela bizarra interdição do Engenhão. Há quem jure que fechar o estádio por uns tempos visou apenas deixar o Maracanã fora da concorrência. Pode ser, mas, teoria da conspiração ou não, é uma situação temporária e, no futuro, para a dupla Fla-Flu, o Consórcio Maracanã terá que se adequar sem exigências delirantes.

Partida contra a Chapecoense não teve bom públicoAlexandre Brum

GELEIA GERAL

Depois da goleada sobre o Sport, o técnico Cristóvão Borges, antes de manifestar a sua alegria pela ótima exibição do Flu, lamentou que estivesse a perigo no cargo, segundo a mídia e os boatos dos bastidores do clube. Tudo por causa de quatro maus resultados, mesmo com todo o êxito anterior. Sua situação foi mesmo bizarra, mas se enquadra na geleia geral que demitiu Celso Roth do Coritiba, tirou e recolocou Ney Franco no Vitória e revezou Felipão e Dunga na Seleção.

O TALISMÃ

Eduardo da Silva vai se transformando em uma espécie de talismã do Flamengo e de Vanderlei. Ele está dando certo não apenas por uma dose de sorte, mas porque se trata de um jogador experiente e com talento, o que já o destaca na aridez atual. E dá certo também porque o Fla está bem ajustado, com bom sistema de marcação, raramente é vazado, o que deixa a Eduardo a missão de colaborar para um gol redentor no segundo tempo. E ajudar o Fla a sair da ‘confusão’.

Eduardo da Silva e Mugni%3A dupla mudou a história do jogo a favor do FlamengoFolhaPress

AS HEROÍNAS

As garotas do vôlei merecem todas as homenagens porque a campanha foi excepcional e a competição, muito desgastante. As laureadas, com méritos, foram Dani Lins, Sheilla e Fabiana, mas, como esquecer dos saques e do estilo agressivo de Thaisa e dos momentos irresistíveis de Fernanda Garay e Jaqueline? E da comprovação de que Camila Brait é inteiramente confiável como líbero na sucessão de Fabi? É um vôlei forte, mas ao mesmo tempo leve e altamente criativo.

A ESPERANÇA

Pelo que Ganso vem jogando no São Paulo abre-se a esperança de que ele possa, sem prejuízo da elegância e da técnica, adaptar-se ao futebol atual e justificar uma volta à Seleção. Mais do que isso, devolver ao nosso futebol a tradição de um camisa 10 clássico, que saiba dominar a bola, levantar a cabeça e fazer belos lançamentos. Muricy faz um bom trabalho de recuperação e resta saber o alcance dessa transformação. O gol de Ganso no jogo com o Santos foi uma pintura.

DESFALQUES DA SELEÇÃO VÃO BALANÇAR O CAMPEONATO

Os quatro clubes brasileiros que vão ceder jogadores para a seleção de Dunga vão balançar nas rodadas em que sofrerem desfalques. A princípio, o mais atingido seria o Cruzeiro sem Ricardo Goulart e Everton Ribeiro. Mas o time tem um banco versátil, que segura a onda. O Galo vai sofrer sem Tardelli, e o Corinthians sem Gil e Elias. O Botafogo, sem Jefferson, será o mais atingido porque o time depende dele e o reserva é muito inferior. O bicho vai pegar. A CBF deveria parar as suas competições durante os jogos da Seleção.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia