Dirigente nega suborno em escolha da Alemanha como sede da Copa de 2006

Fedor Radmann era vice-presidente do comitê organizador do Mundial, que está sob suspeita de corrupção

Por pedro.logato

São Paulo - Ex-vice-presidente do comitê organizador da Copa do Mundo de 2006, na Alemanha, Fedor Radmann negou neste sábado a acusação de que o país comprou votos de dirigentes da Fifa para ser escolhido como sede do torneio, segundo apontou a revista "Der Spiegel" desta semana.

Investigações e denúncias no futebol continuamEfe

“O comitê organizador jamais subornou alguém. Estou pronto para testemunhar. Não compramos nenhum voto”, disse Radmann ao canal britânico Sky Sport. A Federação Alemão de Futebol também negou, por meio de um comunicado, a acusação.

Segundo a revista, o ex-jogador Franz Beckenbauer, presidente do comitê da candidatura alemã, e Wolfgang Niersbach, o atual presidente da Federação Alemã de Futebol, teriam recebido dinheiro de Robert Louis-Dreyfus, então presidente-executivo da Adidas. O empresário teria desembolsado a quantia de 6,7 milhões de euros como pessoa física, agindo em segredo. O montante teria sido sido usado para compra de quatro votos de dirigentes asiáticos do Comitê Executivo da Fifa.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia