Prefeito Crivella quer prova da Fórmula Indy no Sambódromo e Av. Presidente Vargas em 2020

Seria a a primeira prova da competição no Brasil desde 2013

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Prova no Rio de Fórmula Indy pode passar pelo Sambódromo
Prova no Rio de Fórmula Indy pode passar pelo Sambódromo -

Rio - A Fórmula Indy pode voltar ao Brasil em 2020. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, prometeu que uma etapa da categoria norte-americana de automobilismo será realizada na cidade daqui dois anos, o que representaria a primeira prova da competição no Brasil desde 2013, última vez que São Paulo recebeu a corrida.

Através de sua página no Twitter, Crivella anunciou a realização da prova. Em vídeo na rede social, publicado na quarta-feira, o prefeito apareceu ao lado de organizadores da Indy e revelou inclusive o traçado da corrida, que percorreria trechos do Sambódromo da Marquês de Sapucaí e da Avenida Presidente Vargas

"Estamos recebendo os organizados da Fórmula Indy, que virão em 2020 realizar uma prova aqui no sambódromo. Eu estive no projeto, vou publicar a corrida que estamos pensando em fazer aqui no Rio. Tenho certeza que você virão, verão e vão gostar, ou pela televisão ou ao vivo. É um excelente evento para a nossa cidade e vai atrair muitos turistas", declarou.

Procurada pela reportagem, no entanto, a assessoria de Crivella deixou claro que a negociação não está selada. "O Rio pode voltar a ser circuito de alta velocidade no automobilismo", explicou. De acordo com nota enviada ao Estado, o que aconteceu na quarta foi a apresentação do projeto pela categoria ao prefeito.

Se o martelo for batido a favor da realização da prova, ela terá, de fato, o sambódromo como atração principal. "Metade da prova aconteceria no sambódromo (que teria pistas de ida e volta) e poderia ser acompanhada de perto, das arquibancadas, pelo público. O circuito apresentado é inédito em competições da categoria", afirma a nota.

A intenção é que o Rio lucre com a presença da Indy. De acordo com a prefeitura, os organizadores da categoria estimam a geração de R$ 150 milhões em impostos para a cidade e de cinco mil empregos temporários.