Marcão, pelo Flu, e Sá Pinto, pelo Vasco, se enfrentam amanhã - Rafael Ribeiro/Vasco.com.br
Marcão, pelo Flu, e Sá Pinto, pelo Vasco, se enfrentam amanhãRafael Ribeiro/Vasco.com.br
Por O Dia

O clássico entre Vasco e Fluminense, amanhã, em São Januário, vai ser o da discrepância. Olhando os investimentos e elencos, é fácil constatar que as duas equipes são parecidas. Cada uma gasta cerca de r$ 4 milhões na folha salarial do futebol profissional e tem uma mescla de bons jogadores com outros bem limitados. Mas a diferença de 19 pontos na tabela mostra bem o que quero dizer. O Flu é o quinto e briga pelo G-4. Perdeu seu técnico, mas Marcão continua para dar sequência à linha do bom trabalho de Odair Hellmann. Já o Vasco é o 17º, já teve Abel Braga, Ramon Menezes e está a ponto de demitir Ricardo Sá Pinto em caso de uma derrota. As diferenças são pequenas, mas os detalhes são enormes e suficientes para colocar o Tricolor como favorito. Mas, no fim das contas, a bola rola e tudo é deixado de lado.

 

MUDANÇAS EMERGENCIAIS
Publicidade
Eduardo Barroca vai comandar seu primeiro jogo como técnico do Botafogo em 2020. O adversário é o Internacional, que chega abalado após a eliminação nos pênaltis para o Boca Juniors na Libertadores. Para essa partida, algumas mudanças devem ser feitas. Kalou, que ainda não mostrou para o que veio, deve ir para a reserva. Helerson, Kevin e Werley devem começar jogando. As mudanças são necessárias e o Botafogo está urgentemente precisando.
Publicidade
NA DISPUTA DO PUSKÁS
O meia Arrascaeta, do Flamengo, está disputando o prêmio Puskas, que significa o troféu de gol mais bonito da temporada no mundo inteiro. O uruguaio está entre os três finalistas e o prêmio se decide por votação online. Ou seja, a torcida do Flamengo vai chegar em peso para eleger aquele golaço de bicicleta marcado contra o Ceará. Grande fase!
Publicidade
FIFA APRONTA NOVAMENTE
Publicidade
A Fifa anunciou os finalistas do prêmio The Best, que vai eleger o melhor do mundo em 2020. Todos esperavam que o trio tivesse Lewandovski, do Bayern de Munique, Neymar, do PSG, e Kevin De Bruyne, do Manchester City. Quem apareceu, desses três aí, foi o polonês do time alemão, que deve ganhar. Messi e Cristiano Ronaldo completaram, ao meu ver, injustamente, a lista. Papelão sem tamanho da Fifa.
Você pode gostar
Comentários