Libertadores tem decisão histórica rumo à eternidade

Após empate no primeiro round, River Plate e Boca Juniors fazem duelo final na luta para erguer a taça da Libertadores

Por

Schelotto entre Villa (E) e Rossi quer levar o Boca Juniors ao título para igualar recorde do Independiente
Schelotto entre Villa (E) e Rossi quer levar o Boca Juniors ao título para igualar recorde do Independiente -

Argentina - Final do século. Decisão histórica. Confronto de gigantes. Duelo inédito rumo à eternidade. Não faltam adjetivos para definir o superclássico entre River Plate e Boca Juniors, hoje, às 18h (de Brasília), no Estádio Monumental de Núñez. Não bastasse a centenária rivalidade, os dois maiores clubes da Argentina vão lutar para erguer mais uma vez a Copa Libertadores.

No total, nove títulos estarão em campo nesta inédita decisão após 58 edições da maior competição de clubes das Américas três do River Plate e seis do Boca Juniors. Porém, mais do que a taça, as duas místicas equipes vão jogar pela honra e pelo prestígio junto aos seus fiéis e apaixonados torcedores.

Promessa de fortes emoções. E gols, a julgar pelo 2 a 2 no primeiro duelo da decisão, há 15 dias, em La Bombonera caso aconteça outro empate hoje, haverá prorrogação e, se necessário, disputa de pênaltis. Apesar do tropeço diante de seus Xeneizes, o Boca Juniors mantém a fé em erguer a taça e alcançar o recorde de sete títulos continentais do também argentino Independiente.

Para isso, o técnico Guilhermo Schelotto promete uma equipe ofensiva, apesar do desfalque do atacante Pavón, lesionado Tévez, Benedetto, Zárate, Villa e Cardona brigam pela vaga. Schelotto ainda tem uma dúvida no gol, entre o questionado Rossi, que fez ótimo jogo no duelo de ida, e Andrada, recuperado da lesão na mandíbula sofrida nas quartas de final contra o Cruzeiro.

Do lado do River Plate, o técnico Marcelo Gallardo, que, punido pela Conmebol, dará lugar ao assistente-técnico Matías Biscay, não terá Borré, suspenso, e Scocco, lesionado. Ao menos poderá escalar o capitão Ponzio, ausente na Bombonera por problemas musculares.

 

Galeria de Fotos

Muito pressionado no cargo, o técnico Marcelo Oliveira conversa com os jogadores durante o treinamento MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC
Schelotto entre Villa (E) e Rossi quer levar o Boca Juniors ao título para igualar recorde do Independiente afp
Os sócios Nery (E) e Dudu se divertem com as brincadeiras sobre futebol, além dos negócios e da culinária Daniel Castelo Branco

Comentários

Últimas de Esporte