Ferida aberta! Famílias das vítimas ainda sofrem com o incêndio no Ninho do Urubu

Tragédia completará um ano no próximo sábado

Por Danillo Pedrosa e Venê Casagrande

Marília, mãe de Arthur, uma das vítimas do incêndio
Marília, mãe de Arthur, uma das vítimas do incêndio -
Rio - O dia 8 de fevereiro de 2019 será inesquecível na história do esporte brasileiro. Mas de forma triste. Nesta data, uma ferida foi aberta no coração de dez famílias que permitiram aos seus meninos a busca pela realização do sonho de quase toda criança que chuta uma bola desde o nascimento: ser jogador de futebol. Vestindo o Manto Sagrado do Flamengo, o sonho parecia ainda mais fascinante, mas virou pesadelo, perdido nas chamas e na fumaça que tomaram conta dos dormitórios no Ninho do Urubu e resultaram na morte de dez atletas das categorias de base do Mais Querido.

Uma ferida que não irá cicatrizar jamais. Prestes a completar um ano da tragédia, no próximo sábado, a dor da perda assola os familiares de Arthur, Áthila, Bernardo, Christian, Gedson, Jorge, Pablo, Rykelmo, Samuel e Vitor. Uma dor que se mistura à saudade, à tristeza, ao luto e à revolta das famílias que ainda lutam por Justiça na apuração e na punição dos responsáveis pelo triste episódio.
Para entender melhor o sentimento de quem mais sofreu com a tragédia, O Dia conversou com familiares de cada uma das vítimas do incêndio.
 

'O Fla não fez contato algum'

Marília, mãe de Arthur, uma das vítimas do incêndio. - Luciano Belford/Agência O Dia

Solteira e sem ter a companhia dos pais, que já faleceram, Marília de Barros Silva, mãe de Arthur, vive dias de angústia em Volta Redonda, e conta com a ajuda da irmã para lidar com a tristeza. Ela tem sido convidada para ministrar palestras sobre a dor de ter perdido o filho no trágico acidente. Católica, conta que se agarra à religião para tentar suportar seu martírio, mas faz críticas ao Flamengo.

Como foi esse primeiro ano sem o filho?

"A gente sabe que o filho não volta. Quem somos nós para questionar os planos de Deus e confio nele para aguentar tudo. Eu falo que é um ano da dor, da saudade, um ano que a gente pensa que tanta coisa boa poderia estar acontecendo. Como estaria o Arthur hoje? Mais alto, mais forte, com bigode?! Os finais de semana têm sido muito dolorosos. A gente sofre a cada momento. A gente sofre no Dia das Mães, Natal, aniversário dele, nas datas comemorativas, meu aniversário, no Feliz Ano Novo. Eu tive de férias agora e viajei. Pensei: cadê o meu filho? A gente sofre por causa desse companheirismo com ele. A saudade só aumenta, e a felicidade nunca mais."

Como está a relação com o Flamengo?

"O contato que eu tive com o Flamengo foi no dia 8 (de fevereiro) foi com um funcionário, psicólogo e médico. No velório, uma pessoa que esteve lá com bandeiro. Depois lá no Ministério Público, na primeira reunião dos pais com o Flamengo. Eu falo que esse dia foi mais triste que o dia do incêndio. As pessoas só falando de dinheiro, você vê pais e mães sendo humilhados. Só se fala em dinheiro. Eu falo que nenhum dinheiro vai trazer os nossos filhos de volta. Eu vi a mãe do Samuel, sozinha, passando frio... Eu não consegui dormir aquela noite, foi um dia muito pesado."

A forma como o Flamengo trata vocês aumenta a dor?

"Aumenta e muito. Quando eles falam que as famílias ficaram em hotel, mas é claro. Eles tinham que fazer isso. Era o mínimo. Eles queriam fazer o enterro no cemitério municipal. Um amigo meu brigou com eles para fazer em um particular. Mas 30 dias depois, eu recebi telefonema de cobrança. Entramos em contato com o Flamengo para eles pagarem. É uma situação que, além de sentir a dor da perda, você ainda receber uma cobrança?! Eles falaram que estão abertos, mas não teve mais contato. Onde eu achei que o meu filho estava mais seguro, eu perdi ele. Qual responsabilidade o Flamengo cumpriu?"

O Flamengo ligou para marcar alguma homenagem?

"O Flamengo não ligou em nenhum momento. Não fizeram nenhum contato. Para eles acabou. Qual retorno esses meninos vão dar? Como eles conseguem botar a cabeça no travesseiro e dormir em paz? A gente sabe que o filho não volta. Confio em Deus para superar tudo. O Flamengo não ligou em momento algum. Não fizeram nenhum contato. Para eles acabou, pois qual retorno os meninos vão dar agora? Como os dirigentes conseguem botar a cabeça no travesseiro e dormir em paz?"

O Flamengo acabou de anunciar a compra de Gabigol (a entrevista foi feita no mesmo dia). Como você se sente ao ler que o clube está investindo milhões para reforçar o time?

"Eu penso que é descaso e falta de respeito. Nem do bolso do presidente o dinheiro sai. Eu não tenho nada contra os jogadores, mas eu não consigo mais assistir a um jogo. É por causa de tudo, mas principalmente pela forma que eles tratam a gente. Eu não consigo mais assistir. Não dá mais. Eu vejo esses meninos se dando bem, e eu penso que poderia ser o meu filho. Os dirigentes poderiam se colocar nos lugares das famílias das vítimas. Custava fazer esse exercício? Eu não gosto de parar de pensar. Não gosto mesmo (choro)."

Caso você encontrasse o presidente Landim, o que você pediria a ele?

"Eu pediria que ele desse as indenizações e acabasse tudo. Toda vez que eu vejo o depósito, eu choro. É muita tristeza em não ter mais o meu filho. Encerra logo isso, presidente."

Depois de um ano, a ficha ainda não caiu

Áthila Paixão, uma das vítimas do incêndio no Ninho do Urubu, com os pais, Damião e Diana - Arquivo Pessoal

Pais do atacante Áthila Paixão, Damião e Diana ainda custam a acreditar na morte do único filho que tinham. Mesmo à distância, o contato com o jovem de 14 anos era constante e a dor da perda não diminui desde o dia do incêndio.

"Tudo que a gente fazia era em prol dele. Ligava para ele toda noite. Quando penso que ele não vai mais estar com a gente, bate o desespero. Eu era feliz e não sabia. Nada nos conforta. E ninguém dá uma explicação para o que aconteceu", conta Damião.

Além de pai, Damião era o fã número um de Áthila e não poupa elogios ao atacante: "Era uma grande promessa, tinha porte europeu. Quando ele jogou a Copa Zico, muitos clubes se interessaram. Tenho até carta do Fluminense, mas ele gostava muito do Flamengo. Estava muito feliz, na melhor fase".

 

Desejo é virar logo a página

Darlei Pisetta (de verde) em foto com a família, que chora o adeus de Bernardo (E) - Arquivo Pessoal

Uma família de rubro-negros de Santa Catarina — exceto pelo pai, que é tricolor — busca forças para superar a perda do goleiro Bernardo Pisetta. O luto é eterno, mas os parentes se apoiam um no outro para tentar diminuir a saudade do garoto que migrou para o Rio de Janeiro em busca da realização de um sonho.

"É um ano diferente, difícil, de aprendizado. Ninguém está preparado para perder um filho. Temos que buscar apoio para seguir em frente", disse Darlei Pisetta, pai de Bernardo.

Ainda sem acordo com o Flamengo por uma indenização, Darlei conta que, apesar do ocorrido, a relação com o clube é amistosa e quer resolver de vez as pendências. Por enquanto, o Rubro-Negro dá assistência psicológica e uma pensão mensal de R$ 10 mil.

"Queremos que as coisas se resolvam logo, mas para poder seguir em frente, virar essa página o mais rapidamente possível tanto para nós quanto para o Flamengo e para os meninos que se foram", explicou o pai do goleiro.

 

'Parece que estamos esquecidos pelo Fla'

Cristiano, pai do goleiro Christian Esmério. - Luciano Belford/Agência O Dia

A vida seguiu para Cristiano Esmério, pai de Christian. Mas os dias têm sido difíceis, duros. No dia em que pintava um apartamento, em Madureira, para conseguir manter a renda, ele recebeu a reportagem e contou como lida com a ausência do filho.

"Perder o filho da forma que perdemos é horrível. Eu vivo um dia de cada vez. O Cristiano era o elo da família. Era ele que unia todos nós. Era uma referência. É muito triste", diz Cristiano, sem conseguir conter o choro.

Até o momento da entrevista, no dia 27 de janeiro, o Flamengo não havia entrado em contato para poder preparar uma homenagem de um ano pelo falecimento de Christian, o que aumentou a tristeza de Cristiano.

"Vai completar um ano e não nos procuraram para nenhuma homenagem. Isso dói, né? Parece que estamos esquecidos pelo Flamengo", frisa.

A falta de contato se estende ao assunto indenização. Segundo Cristiano, o clube não tem interesse em fazer qualquer acordo: "Eles falam que tentam se reaproximar das famílias, mas isso é mentira. Mentira das grandes. Para gente é horrível demais passar por isso", se queixa.

 

'Não consigo mais ver o Flamengo'

Alba e o filho Jorge Eduardo: revolta com o Flamengo - Arquivo Pessoal
Ainda em tom de inconformismo, Alba Valéria, mãe de Jorge Eduardo, uma das dez vítimas da tragédia do Ninho do Urubu, há quase um ano, conversou rapidamente com a reportagem do jornal O Dia. Com poucas palavras, ela resumiu o sentimento.
"Não tenho nenhum contato com o Flamengo. Esse momento é muito triste. Ainda dói demais. Não tenho muita coisa para falar. É difícil".
Quando questionada se o noticiário do Flamengo nos últimos dias, dando que o clube anda movimentando milhões no mercado da bola, a deixa ainda mais revoltada, Alba não pensou duas vezes e emendou:
"Claro que sim. Sem dúvidas. Revoltante. Eu não consigo mais ver o noticiário do Flamengo, principalmente quando fala de contratação."
Indagada qual seria a reação caso se encontrasse com Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, Alba respondeu:
"Eu perguntaria a ele se ele consegue botar a cabeça no travesseiro e dormir tranquilo."
A Alba ainda contou que o Flamengo não ligou para poder preparar homenagem de um ano da tragédia.

Tristeza e revolta depois da tragédia

Gedson, a mulher Teresa e os filhos Geraldo (mais velho) e Gael: recordações de Gedinho em fotos - Arquivo Pessoal

A família de Gedson Santos é uma das cinco que já tem acordo com o Flamengo por uma indenização, mas confessa que a mágoa ainda não passou. O dinheiro não vai curar a ferida da perda do filho de 14 anos que havia chegado ao Flamengo na mesma semana do incêndio.

"A gente fica sentido e procura viver o dia-a-dia. Não procuro ficar pensando. A gente tentar lembrar das coisas boas. É muito revoltante a negligência do clube. O sentimento é de revolta", disse Gedson Fábio, que deu o mesmo nome ao filho mais velho.

Para aliviar o sofrimento, os pais buscam conforto nas boas lembranças e nos irmãos mais novos de Gedinho, Geraldo, de 4 anos, e Gael, de 2 meses. O último nem teve tempo de conhecer o primogênito, a não ser pelas fotografias espalhadas pela casa.

"A gente se apega em Deus e nos irmãos dele. Ele realizou tudo que podia realizar. Saiu de casa com 11 anos e viveu intensamente. Estava muito contente", conta o pai de Gedinho.

 

'Perdemos um pedaço de nós'

O sorriso de Sarah (D) é uma recordação na foto ao lado de Pablo Henrique e do marido - Arquivo Pessoal

O sofrimento da família de Pablo Henrique só aumenta desde que perdeu o filho aos 14 anos. A mãe do zagueiro, Sarah Cristina, nem consegue trabalhar desde o dia do incêndio. A família ainda não chegou a um acordo financeiro com a diretoria do Flamengo.

"Quando aconteceu, não tive mais cabeça para trabalhar. Sou cozinheira. Fico só saudade. Ele era um anjo, tudo para mim. A cidade inteira se sensibilizou", revela Sarah, que mora em Oliveira, Minas Gerais, onde nasceu Pablo Henrique.

Para aliviar a dor, só a paixão pelos netos e a união com o pai de Pablo, Uelisson Cândido, além de muitos remédios, já que o clube também não tem dado assistência psicológica.

"A gente espera resolver isso o mais rapidamente possível. Tomo antidepressivo e calmante para dormir. Perdemos um pedaço de nós. A alegria dele também era a nossa. É uma ferida que nunca vai cicatrizar. Quanto mais passa, pior fica", conta a mãe Pablo Henrique.

 

'Desvalorizaram o meu filho'

Rosane com o filho, Rykelmo: revolta com o pai do menino e com a diretoria do clube rubro-negro - Arquivo Pessoal

Dona Rosane vive momentos tristes e passa por uma situação curiosa. O seu ex-marido, José Lopes, pai de Rykelmo, resolveu fazer acordo com o Flamengo e a deixou em uma sinuca de bico. Na Justiça, ela tenta conseguir o que acha que tem direito. Com dificuldade, relata como tem sido viver sem o filho.

"Eu fiz a mediação e fui três vezes ao Rio. Na penúltima vez, estava tudo certo, só faltava assinar. Ficou bom para mim e para o pai do Rykelmo. Mas o Flamengo se aproveitou da situação e fechou só com ele. Eu comecei a receber R$ 5 mil em dezembro, mas meu advogado está correndo atrás. O pai dele foi lá no Flamengo, pegou uma migalha. Eles desvalorizaram o meu filho", lamenta Rosane, que, durante a entrevista, pediu para mandar um recado para Rodolfo Landim, presidente do Flamengo.

"Se fosse filho dele, ele gostaria de passar por isso tudo?"

 

'Este ano foi muito terrível pra mim'

Cristina com o filho, Samuel, em uma das fotos antes da tragédia no Ninho do Urubu - Arquivo Pessoal

A dura rotina de viver sem o filho não é fácil para mãe nenhuma, mas para Cristina, mãe de Samuel, a dor parece estar sendo ainda pior. Ao falar do período sem o filho, ela não aguenta e se rende ao choro desconsolado.

"Este ano foi muito terrível para mim. Saudade demais, uma dor que não tem fim, não tem remédio e me agarro em Jesus. Só Ele mesmo para me confortar nesse momento complicado. Um ano de aperto. Que saudades do meu filho", diz Cristina, com lágrimas nos olhos.

Ela também não poupou críticas para falar da relação com o Flamengo no período pós-tragédia. "O Flamengo só quer saber dele mesmo. Uma ganância. Eles não ligam, não se preocupam, não falam nada. Teve o dia do aniversário do meu filho e nada fizeram. Eles não lembram de nada. Só pensam neles", desabafa Cristina, que cita uma pergunta que faria a Rodolfo Landim, presidente do Flamengo. "Eu perguntaria se ele não tem vergonha".

 

Em meio à dor, um sonho realizado

Dona Jô fez acordo com o Flamengo e comprou a casa que Vitor lhe prometera - Arquivo Pessoal

Por vias tortas e em meio à tristeza com a morte precoce, Vitor Isaías deu tudo que sonhava para a avó, Josete Adão, a Dona Jô, que assumiu o papel de mãe do atacante desde cedo. A promessa de tirá-la do aluguel foi cumprida, mas não compensa a saudade do amado neto.

"Foi um ano muito sofrido, à base de remédio, tratamento com psicólogo. Nunca vai passar, mas tenho ajuda da minha igreja e quero deixar meu filho descansar em paz. Era o sonho dele me tirar do aluguel, me dar a casa própria, e ele conseguiu", conta Dona Jô.

A última lembrança do neto é um pedido — já atendido pela avó — feito no saguão do aeroporto, antes de ele embarcar para o Rio de Janeiro. "Ele olhou para trás e disse: 'vó, volta para a igreja!' e pediu para o meu marido cuidar bem de mim", lembra, emocionada.

Fla se pronuncia

Até agora, cinco famílias chegaram a um acerto financeiro com os dirigentes rubro-negros, assim como o pai de Rykelmo, José Lopes Viana, embora a mãe dele, Rosana, ainda brigue na Justiça. O Flamengo se pronunciou oficialmente ontem, na FlaTV.
 
"O clube sempre esteve aberto à negociação. Mas, depois de discutir internamente, estabeleceu um teto. Estamos dispostos, dentro deste teto, a discutir com as famílias", disse o presidente Rodolfo Landim, sem revelar o valor do referido teto e estabelecer prazo para resolver as pendências: "Não depende só do Flamengo, mas das famílias e do tempo delas".

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Marília, mãe de Arthur, uma das vítimas do incêndio Luciano Belford/Agência O Dia
Marília, mãe de Arthur, uma das vítimas do incêndio. Luciano Belford

Comentários