'Caso Ronaldinho' tem reviravolta

Justiça nega pedido de absolvição e ele seguirá sendo investigado no Paraguai

Por

Ronaldinho deixa o Palácio de Justiça após cinco horas de depoimento
Ronaldinho deixa o Palácio de Justiça após cinco horas de depoimento -

A Justiça do Paraguai voltou atrás em decisão tomada pelo Ministério Público de não levar adiante a acusação de uso de documentos falsos por Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Assis. Ontem, após mais de cinco horas de audiência com os brasileiros, foi determinado que o caso seja encaminhado à Procuradoria Geral do Estado — a manutenção ou a mudança da petição inicial ficará a cargo da promotora Sandra Quiñónez.

O instrumento jurídico "critério de oportunidade", presente no Código Penal paraguaio, fora usado pelo MP para inocentar os irmãos — prevê que quando os suspeitos admitem o delito e não têm antecedentes criminais no país ficam livres do processo penal.

Segundo o promotor Federico Delfino, os dois admitiram o erro e o MP considerou que ambos "foram enganados em sua boa-fé". Mas ontem, o juiz do caso, Mirko Valinotti, discordou de tal critério e revogou a decisão. Como não há medidas cautelares, Ronaldinho e Assis podem deixar o Paraguai, se assim desejarem.

Comentários