Perícia em celular de Ronaldinho e Assis deve demorar mais uma semana

Irmãos já se queixam da rotina na prisão

Por O Dia

Ronaldinho Gaúcho e Assis estão presos no Paraguai, enquanto sistema Judiciário foi interrompido por pandemia
Ronaldinho Gaúcho e Assis estão presos no Paraguai, enquanto sistema Judiciário foi interrompido por pandemia -
Assunção - A perícia nos celulares de Ronaldinho Gaúcho e Roberto Assis deve demorar pelo menos uma semana para ficar pronta. Ronaldinho Gaúcho. O ex-jogador e seu irmão estão presos em Assunção desde o dia 6 de março, acusados de portar e usar passaportes falsos para entrar no Paraguai. A defesa sustenta que os dois receberam os documentos "de presente".
A extração dos dados dos celulares de Ronaldinho e Assis começou na noite desta terça-feira, e deve demorar uma semana. Advogado brasileiro que acompanha Ronaldinho e Assis na capital do Paraguai, Sérgio Queiroz afirmou que o perito encarregado da tarefa "se comprometeu a ser célere".

"Estamos aguardando o laudo pericial nos telefones. A partir do laudo, que certamente evidenciará a inexistência de qualquer vínculo ilícito, tudo deverá se resolver. Até porque inexiste qualquer indício", declarou Queiroz.
No momento, Ronaldinho e Assis continuam presos na Agrupación Especializada, um complexo de segurança máxima da Polícia Nacional do Paraguai. Apesar da estrutura oferecida aos irmãos, os dois já começam a se queixar da rotina de prisão.
 
 

Comentários