Franco Armani - Divulgação
Franco ArmaniDivulgação
Por O Dia
Rio - A final da Libertadores de 2019 não sai da cabeça dos jogadores e torcedores, seja do Flamengo ou do River Plate. Vítima de Gabigol nos últimos momentos da decisão, o goleiro equipe argentina, Franco Armani falou sobre o sentimento de revanche com o Rubro-Negro e como saiu ainda mais forte da dura derrota.
"Esses golpes fazem você se levantar e ser mais forte do que já é. Seguir adiante e saber que o futebol dá a sua revanche. Eu sou exigente comigo mesmo. Tenho que estar brigando por ela o mais rápido possível. Pode ser nesse ano, apesar de não saber como as coisas vão acontecer. Esses golpes servem para nos fortalecer como pessoa e como grupo. Não se conformar. Alguém com duas Copas pode dizer que não dói. Mas dói sim, porque poderiam ser três Copas. E quantos jogadores tem três Libertadores? São poucos. Nunca se pode cruzar os braços", disse o goleiro em entrevista ao diário argentino Olé.
Publicidade
Titular da seleção da Argentina e bicampeão da Conmebol Libertadores, em 2016 pelo Atlético Nacional, e 2018 pelo River Plate, Armani deixou claro que não quer o clube nesse momento e ainda tem o sonho de levantar mais troféus com a camisa do River.

"Estou muito contente no River. Alegre de estar aqui. E não é porque eu quero ficar bem com vocês ou com as pessoas do River. Digo o que sinto. Estou feliz no River. Primeiro pelas pessoas. Tenho que valorizar as pessoas. Desde o primeira me receberam de maneira espetacular, com apoio e carinho. Estou orgulhoso e contente dos companheiros e o corpo técnico, auxiliares. Não tenho pressa de sair do River. Nesse momento, a intenção e o que tenho em mente é cumprir os anos de contrato. Penso nos dois anos que me restam no River".