'O silêncio que precede o esporro': Jesus está inclinado a deixar o Flamengo para comandar o Benfica

Representantes do técnico conversam com o clube português há 12 dias; oferta dos Encarnados para tirar o comandante do Rubro-Negro é de cinco anos de contrato, com valores acima do que ele recebe atualmente

Por Venê Casagrande

Rio de Janeiro - RJ - 12/07/2020 - COVID 19 - Coronavirus no Rio - Campeonato Carioca primeiro jogo da final entre Fluminense x Flamengo,  no estádio do Maracanã - Foto Gilvan de Souza / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 12/07/2020 - COVID 19 - Coronavirus no Rio - Campeonato Carioca primeiro jogo da final entre Fluminense x Flamengo, no estádio do Maracanã - Foto Gilvan de Souza / Agencia O Dia -
O silêncio de Jorge Jesus desde que a imprensa portuguesa começou a noticiar que o Benfica tentaria tirá-lo do Flamengo não é por acaso e pode 'preceder o esporro'. O comandante já sabe da intenção dos Encarnados em contratá-lo, e a oferta é tentadora: cinco anos de contrato e valores que giram em torno de € 5,8 milhões por temporada, cerca de R$ 34 milhões. Mas o que pesa, pelo menos o que Mister revelou a pessoas próximas, é a questão familiar.

O fato de o mundo estar passando por uma das piores crises já vividas dificulta os planos de Jorge Jesus para conseguir aproveitar alguns momentos perto da família. Antes da paralisação, os entes do treinador, ao menos, viajavam ao Brasil com uma certa frequência. Com a pandemia da Covid-19, esse planejamento foi dificultado. Inclusive, esse tem sido o principal trunfo para o Benfica tentar convencer o comandante a deixar o Flamengo mesmo após 40 dias de ter renovado o vínculo com o Rubro-Negro, além do bom relacionamento do presidente dos Águias, Luis Filipe Vieira, com o treinador.
Esse é um discurso que vai de encontro com o que Jesus disse publicamente em entrevista à FlaTV. No dia 14 de junho, em um evento no Maracanã, após renovar o contrato e quando a incerteza do calendário do 2020 do futebol ainda tomava conta dos clubes - atualmente, o calendário está definido -, o treinador deixou claro que a distância da família não era um fator negativo.
"Não se pode ter tudo na vida. A minha profissão é mais forte do que a saudade que tenho da minha família e dos meus amigos. E por isso eu consigo suportar e estar tranquilo. O meu prazer está acima disso." (entrevista completa abaixo)

Os contatos do Benfica com os representantes de Jorge Jesus iniciaram há 12 dias, quando o treinador ficou ciente da intenção do clube português, mas deixou claro que a decisão só sairia após o término do Campeonato Carioca, promessa que está sendo cumprida à risca, já que ainda não deu uma resposta definitiva. Giuliano Bertolucci, um dos agentes do treinador, está na Europa, e Bruno Macedo, seu outro empresário e quem tem contato mais próximo com Jesus, está no Brasil pronto para avançar caso precise iniciar o trabalho de rescisão de contrato.

De lá para cá, o treinador optou pelo silêncio, bem diferente daquele Jorge Jesus que fez questão de anunciar a renovação com o Flamengo, em junho, antes mesmo do clube. Bruno Macedo, ao ser questionado pela reportagem se o fato de o treinador estar calado seria um indício que aceitaria a proposta do Benfica, ele respondeu com uma palavra que pode ser interpretada de várias formas.

"Talvez", resumiu Macedo ao Jornal O Dia.

Certeza se Jorge Jesus vai ou fica só o treinador pode ter. O que há de certo é que o Benfica está de prontidão para dar o bote quando o treinador sinalizar que está 100% pronto para retornar ao Velho Continente e ficar perto da família.
Quem conhece Jorge Jesus aposta que quem falará ao Flamengo da decisão será o próprio treinador e nenhum emissário será o responsável por conversar com a diretoria rubro-negra.
"Não sei, ainda, qual é a decisão dele (Jesus). Mas, independentemente da escolha, tenho certeza que ele irá transmitir a decisão ao Flamengo", disse um amigo pessoal de Jesus.
Técnico Jorge Jesus (à esquerda) cumprimenta o vice-presidente de futebol Marcos Braz - Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia


E O FLAMENGO?

O Flamengo adotou a estratégia de fazer com que o foco seja a final do Carioca 2020 contra o Fluminense. Todos os dirigentes procurados falaram que o assunto deve ser a decisão, que pode ser o último título do Rubro-Negro no ano 2020, já que as demais competições irão acabar apenas no começo de 2021.

O dirigente que tem a relação mais próxima é Marcos Braz, que tem indo com frequência ao Ninho do Urubu. Desde que as especulações da saída de Jorge Jesus começaram em Portugal, o vice-presidente de futebol garante que não foi comunicado pelo treinador sobre qualquer possibilidade de deixar o Rubro-Negro para retornar à Europa. Pelo contrário.

Nas duas últimas partidas do Flamengo, que foram contra o Fluminense, a rotina do pré-jogo foi a mesma: Jesus e Braz juntos no ônibus, sentados um ao lado do outro na parte da frente do veículo, sem tocar no assunto Benfica. A diretoria alinhou o discurso externamente: confiança de que o treinador vai ficar, ao menos, até dezembro.

Sobre o silêncio de Jorge Jesus, membros da diretoria entendem que o estilo de comunicação do treinador é uma decisão dele. Inclusive, o fato de ele não ter comentado o interesse do Benfica nas entrevistas à Flatv, após os dois últimos confrontos, foi uma opção do próprio treinador, segundo apurou a reportagem.

Fato é que Jorge Jesus tem promovidos novelas no Flamengo. A primeira foi a renovação de contrato no último mês. Agora, o suspense é em relação ao futuro. Inclinado a aceitar o projeto do Benfica, o Mister mira o título Carioca para evitar que, caso haja uma despedida do Rubro-Negro, que não seja melancólica.

Galeria de Fotos

Rio de Janeiro - RJ - 12/07/2020 - COVID 19 - Coronavirus no Rio - Campeonato Carioca primeiro jogo da final entre Fluminense x Flamengo, no estádio do Maracanã - Foto Gilvan de Souza / Agencia O Dia Gilvan de Souza
Silêncio de Jorge Jesus sobre proposta do Benfica incomoda a torcida e pesa nos bastidores na véspera da final do Estadual Alexandre Vidal / Flamengo
Técnico Jorge Jesus (à esquerda) cumprimenta o vice-presidente de futebol Marcos Braz Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia

Comentários