Mosaico feito pela torcida do Fluminense na última rodada do Brasileiro relembra o sonho pela Libertadores
Mosaico feito pela torcida do Fluminense na última rodada do Brasileiro relembra o sonho pela LibertadoresLucas Merçon/Fluminense
Por O Dia
Chegou o dia do torcedor matar a saudade. Sem disputar a Libertadores desde 2013, o Fluminense está de volta à busca pelo sonho do título em sua sétima participação. E também terá um reencontro com o Maracanã, palco do difícil duelo de estreia contra os argentinos do River Plate, os favoritos do Grupo D, nesta quinta-feira às 19h. A última vez em que o Tricolor jogou no estádio pela principal competição continental foi em 2008, na fatídica final contra a LDU, perdida nos pênaltis.
"O sentimento é de muita responsabilidade porque sabemos o peso que é, o peso nas nossas costas para buscar esse título tão esperado. Nós temos que passar para as oitavas. Se conseguir, vamos de igual com todo mundo", disse Fred.
Publicidade
Desde aquela linda festa com mais de 86 mil pessoas no antigo Maracanã e que terminou em trauma, o Fluminense disputou outras três Libertadores - 2011, 2012 e 2013 - sem o estádio, que ficou fechado para reforma para a Copa do Mundo de 2014. O Engenhão recebeu 11 jogos (5 vitórias, quatro empates e duas derrotas) e São Januário, três (duas vitórias e um empate, todos em 2013).
Um desempenho bom, mas muito longe daquele Fluminense de 2008 com o Maracanã, com 100% de aproveitamento em sete jogos, alguns épicos como a classificação sobre o São Paulo, com o 3 a 1 no fim. Desta vez, em função da pandemia de covid-19, as lindas festas da torcida de 13 anos atrás não serão possíveis. Ainda assim, o estádio pode ser um importante trunfo tricolor para a campanha de 2021, principalmente contra estrangeiros.
Publicidade
Afinal, desde aquela final contra a LDU, o Fluminense jogou 14 vezes no Maracanã contra adversários de outros países pela Copa Sul-Americana. E está invicto no estádio, com 11 vitórias e apenas três empates.
Para manter esse bom retrospecto na estreia da Libertadores de 2021, o técnico Roger Machado deve mandar a campo: Marcos Felipe, Calegari, Nino, Luccas Claro e Egídio; Wellington, Martinelli e Yago; Nenê, Kayky e Fred.