Por bianca.lobianco

Rio - O secretariado do segundo mandato de Luiz Fernando Pezão traz desde nomes que aportam agora na vida pública, chancelados por padrinhos com forte influência política — como Marco Antônio Cabral, filho do ex-governador, na pasta de Esporte, Lazer e Juventude —, até figuras tarimbadas que comandam as pastas desde o primeiro governo Cabral — a exemplo de José Mariano Beltrame, na Segurança Pública. No hall dos cargos de confiança do ex-prefeito de Piraí, não poderiam faltar representantes do interior do estado.

Quem é quem no governo PezãoArte O Dia
Quem é quem no governo PezãoArte O Dia

No total, são seis nomes vindos de fora da Região Metropolitana, ocupando as 27 pastas do ‘staff’ do governo. Desses, três nomes vêm de Piraí. Passado o frisson do período eleitoral, as nomeações parecem tentar amenizar as disputas internas do PMDB, partido de Pezão, por conta de apoios aos presidenciáveis no último pleito. Homens fortes de Jorge Picciani encontram-se lado a lado com seu opositor Paulo Mello, nomeado secretário de Governo após perder a indicação do partido à Presidência da Assembleia Legislativa (Alerj) para o rival.

O critério das escolhas é abrangente. Políticos de carreira como Cidinha Campos e Arolde de Oliveira, nas Secretarias de Defesa do Consumidor e Trabalho e Renda, respectivamente, dividem espaço com os perfis ‘técnicos’ de Antônio Neto e Teresa Cosentino, na Educação e Assistência Social, respectivamente.
Conheça, ao lado, um pouco mais de alguns dos secretários que compõem a gestão do governo estadual que começa no dia 1º.

Você pode gostar