Opinião 15 abril
Opinião 15 abrilArte Paulo Márcio
Por Myrian Lund*
Estamos num momento delicado da situação brasileira. Na Economia, tudo é cíclico, e o Brasil é um país reconhecido pela capacidade do seu povo de dar a volta, de se adaptar a novas situações e criar soluções. E este é exatamente um desses momentos que está exigindo sacrifício e resiliência de todos, do ponto de vista de saúde, emprego e dinheiro.

Como sobreviver com tanta restrição. Vamos a algumas orientações financeiras:
1)Neste momento de pouco dinheiro, priorize o pagamento de contas essenciais: luz, gás e água, bem como alimentação.
2)Para quem é micro e pequeno empresário, os impostos estão entre as obrigações importantes, para que você possa continuar a gerar renda a partir do seu negócio.
3)Outro ponto relevante são os financiamentos de imóveis ou os empréstimos com bens dados em garantia. Se estiver desempregado, solicite o não pagamento, na verdade o adiamento, das próximas 4 prestações do seu contrato.
4)Com relação ao cheque especial, cartão de crédito, crédito pessoal, esses são os últimos na lista de prioridade de pagamento

Vamos às principais perguntas: Se tem um empréstimo com juros mais alto não é melhor pagar primeiro? Sim, se você tem dinheiro e já pagou as contas essenciais, alimento básico em casa, impostos do seu negócio e os empréstimos e financiamentos com garantia de bens.
Mas a dívida vai subindo sem parar, o que fazer? Enquanto você estiver pagando alguma “partezinha”, a dívida continuará crescendo. Se você parar de pagar por incapacidade financeira, o seu nome será registrado, no SPC e no Banco Central, como inadimplente, pelo valor daquele dia.
Publicidade
O meu nome vai ficar sujo? Nome sujo significa que você está com dificuldades de fazer pagamento o que o impedirá apenas de fazer novos contratos de empréstimo e prestações em lojas. Muitas vezes, é neste momento que a pessoa acorda para cuidar das finanças.
Dica de ouro! Se você está usando o cheque especial e não tem a menor condição de pagar porque ficou desempregado ou está ganhando menos, procure ter uma conta em outro banco, sem cheque especial e sem cartão de crédito, e peça a portabilidade do salário. É a melhor forma de organizar o pagamento das despesas e fazer negociações com o banco que você é devedor.
Publicidade
Ouvi falar que após 5 anos a dívida acaba, é verdade? A dívida não acaba, o que ocorre é que o seu nome deixa de constar no SPC como devedor, e neste momento a Instituição perde o seu grande poder de cobrança (que é limpar o nome como pagamento).
Quando a Instituição vai à justiça? O Banco pode me processar? A minha experiência mostra que os bancos só entram na justiça se tiverem certeza de que vão ganhar, ou se você estiver mentindo: possui bens, casa boa, está levando uma vida de viagens e ostentação pelas mídias sociais, por exemplo. Os bancos sempre vão preferir um acordo.
Publicidade
E a pressão psicológica? Essa existe e é bem desagradável. São várias ligações por dia! Atenda e diga, quantas vezes necessário, que está procurando um emprego ou organizando as finanças para fazer um acordo. Recomendo que você comece a juntar todos os trocados que tiver, tudo que ganhar. Sempre que o banco ligar, oferecer o que tem guardado para liquidar a dívida, mesmo que seja bem abaixo do saldo devedor. É o que você pode nesse momento.
Importante: se você está realmente superendividado, pode contar com o apoio da Defensoria Pública, Núcleo de Defesa do Consumidor da sua cidade, para ajudar na negociação.*
Publicidade
É economista e professora dos MBAs da Fundação Getulio Vargas