O selo autoriza a comercialização de produtos de origem animal, como carnes, lácteos e o mel, por exemplo - Vinícius Ferreira
O selo autoriza a comercialização de produtos de origem animal, como carnes, lácteos e o mel, por exemploVinícius Ferreira
Por O Dia
Petrópolis - A Vigilância Sanitária e a Fiscalização de Posturas inutilizaram 51.715 kg de carnes manipulados de forma irregular em um açougue de Corrêas. Os fiscais identificaram a situação na última quinta-feira, durante ação para verificar denúncias de aglomeração e oferta de consumação de bebidas alcoólicas em estabelecimentos da região. Nesse açougue, foram encontrados produtos previamente moídos, temperados ou empanados – o que é proibido – e sem registro de inspeção.

A legislação sanitária do país e uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que estabelece boas práticas nos serviços de alimentação, determinam que carnes só podem manipuladas por indústrias, onde é feito controle para evitar a possibilidade de contaminação bacteriana dos produtos alimentícios, o que não é possível garantir em lojas. O fracionamento – ou seja, corte, moagem ou maceração – só pode ser realizado após o pedido feito pelos clientes e na frente deles, nunca previamente.

No estabelecimento, foram encontrados 19,400 kg de carne moída; 9,400 kg de carne bovina temperada; 1,930 kg de bife de hambúrguer; 4,425 kg de frango à passarinho; 4,830 kg de frango empanado; 2,940 de carne bovina empanado; 2,270 kg de carne suína empanada; e sete pacotes de 500g (total de 3,500 kg) de linguiça suína sem registro de inspeção. Esses produtos estavam expostos na vitrine.

A manipulação desses produtos sem controle sanitário tem alto risco de contaminação bacteriana, o que pode gerar toxinas resistentes ao cozimento e causar doenças em quem consome os alimentos. Por isso, todos foram inutilizados.