A ação também visa a prisão de receptadores, que são responsáveis por adquirir o produto dos roubos praticados e estimular essa prática criminosa - Reprodução
A ação também visa a prisão de receptadores, que são responsáveis por adquirir o produto dos roubos praticados e estimular essa prática criminosaReprodução
Por O Dia
Petrópolis - A Polícia Civil, comandada pela Secretaria de Estado de Polícia Civil (Sepol), esteve essa semana nas ruas para cumprir mais de 100 mandados de prisão, no Estado do Rio de Janeiro, contra foragidos da Justiça por crimes de roubos e receptadores. Até a última quinta-feira, cerca de 270 suspeitos já tinham sido presos em diversas regiões. Segundo a polícia, quatro suspeitos foram mortos, sendo três em Resende, no sul do Estado, e um em Duque de Caxias. Mais de 500 policiais participam da operação Espoliador III, entre eles estão agentes das 105ª e 106ª Delegacias de Petrópolis.
De acordo com a delegacia titular da 105ª DP Juliana Ziehe, os policiais da unidade cumpriram dois mandados de prisão preventiva por roubo e um por receptação. Já a 106ª DP cumpriu três mandados por receptação. Até a manhã desta quinta-feira, mais de 400 pessoas foram presas.
Publicidade
Segundo as investigações, boa parte dos roubos foi praticada por traficantes. Os acusados são responsáveis pela venda de drogas em comunidades e, para obter mais lucro, emprestam armas para a prática de roubos de cargas, de veículos, a pedestres, a residências, a instituições financeiras e a estabelecimentos comerciais.
Também participam da operação os departamentos gerais de Polícia da Capital (DGPC) da Baixada Fluminense (DGPB), do Interior (DGPI), Especializada (DGPE) e de Homicídios e Proteção à Pessoa (DGHPP). Os mandados são provenientes de inquéritos policiais das delegacias de todo o estado e de levantamento realizado pela Polinter.
Publicidade
De acordo com dados de investigação e de inteligência, o crime organizado (tráfico e milícia) é responsável por pelo menos 79% dos roubos de veículos na Capital; 73% na Baixada e 84% em Niterói e São Gonçalo. Em relação aos roubos de cargas, o crime organizado tem participação em pelo menos 65% dos roubos na Capital, 64% na Baixada e 62% em Niterói e São Gonçalo.
A ação também visa a prisão de receptadores, que são responsáveis por adquirir o produto dos roubos praticados e estimular essa prática criminosa, e a prisão de autores de latrocínios, que acabam matando a vítima por causa do roubo.