Mais Lidas

Grávida morta na Baixada deve ser enterrada nesta quinta-feira

Parentes da vítima foram ao IML para retirar os restos mortais da mulher e do feto nesta quarta-feira

Por gabriela.mattos

Rio - Familiares da jovem Rayanne Christini Costa, 22 anos, estiveram no Instituto Médico Legal (IML) no Centro do Rio, na manhã desta quarta-feira para retirar o corpo da jovem e do bebê que ela esperava. Os restos mortais da mulher e do feto deverão ser enterrados nesta quinta-feira, no Cemitério do Murundu, em Padre Miguel na Zona Oeste do Rio. Ainda não há informações se a família fará algum velório.

Jupira Costa%2C tia de Rayanne%2C esteve no IML nesta quarta-feiraSeverino Silva / Agência O Dia

"Enfim, chegou o laudo. Infelizmente, não aconteceu o que queríamos, que era encontrá-la com vida. As pessoas que fizeram isso como a Rayanne são uns monstros. Fizemos uma vaquinha para enterrar ela. Tá doendo, vamos carregar essa dor para sempre. Mas agora com o caso esclarecido, estamos um pouco mais aliviados", afirmou Jupira Costa, tia da vítima.

Polícia confirma que restos mortais são de grávida sumida na Central

A Polícia Civil confirmou, nesta terça-feira, que os restos mortais encontrados há cerca de duas semanas em Magé e Guapimirim, na Baixada Fluminense, são mesmo de Rayanne Christini Costa, 22 anos, e do feto de sete meses que ela esperava. Segundo os agentes, a arcada dentária da vítima ajudou na identificação.

Com o documento, os parentes da jovem já podem providenciar os sepultamentos. Conforme o DIA antecipou, o documento diz que Rayanne foi enforcada após ter o parto induzido por Thainá Silva Pinto, de 21 anos, e o marido dela, Fábio Luiz Souza Lima, 27 anos.

Sequestrada, morta e queimada com sete meses de gravidez, a mulher foi assassinada por enforcamento com uma borracha após parir o bebê.

A menina não resistiu ao processo e também morreu. As informações são da Delegacia de Descoberta de Paradeiro (DDPA). Thainá e Fábio estão presos acusados do crime. O homem prestou um novo depoimento nesta terça na especializada. Três pessoas estão foragidas e a polícia apura a conexão deles com o casal.

Segundo as investigações, Rayanne foi obrigada a tomar remédio para induzir o parto, que teria sido normal, de acordo com o depoimento de Thainá à DDPA. Depois, foi enforcada e seu corpo foi queimado no quintal da residência em Magé.  De acordo com a polícia, Thainá colocou o corpo do bebê dentro da bolsa de Rayanne e jogou em um terreno baldio em Guapimirim. 

Peritos conseguiram identificar cortes nos restos mortais e concluíram que a jovem foi esquartejada. Também em Guapimirim, os agentes encontraram a arcada dentária da vítima, que foi analisada por um dentista. Já os outros restos mortais foram submetidos a um exame de DNA, cuja resultado sai em 15 dias. 

Rayanne desapareceu após sair de casa para buscar doações de roupas oferecidas por Thainá pelas redes sociais. O caso foi revelado com exclusividade pelo DIA Online. Segundo as investigações da DDPA, Thainá e Fábio tramaram o crime para ficar com o bebê. Ela mentiu nas redes sociais dizendo que estava grávida de uma menina e, por isso, teria atraído Rayanne.

?Reportagem do estagiário Rafael Nascimento

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia