Mais Lidas

Após acidentes na Sapucaí, Inmetro deverá criar regras para carros alegóricos

Normas devem incluir construção e funcionamento das alegorias. Decisão acontece após incidentes deixarem vários feridos na Avenida

Por rafael.nascimento

Rio - Após os acidentes envolvendo dois carros alegóricos — um da Paraíso do Tuiuti, no domingo, e outro da Unidos da Tijuca, nesta segunda-feira — que deixou várias pessoas feridas na Sapucaí, o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) deverá criar padrões de segurança para a construção dos carros alegóricos das escolas de samba.

“Vou convocar a partir de quinta-feira essa pauta. Em meados de março fazemos o painel setorial, convidando as pessoas a participar Liga Independente das Escolas de Samba do Rio (Liesa), Prefeitura do Rio e Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Deste painel setorial sai um grupo de trabalho, que certamente vai propor uma regra”, disse Carlos Augusto de Azevedo, presidente do órgão, à GloboNews nesta terça-feira.

Azevedo afirmou que o processo de criação do padrão de segurança deverá demorar entre três e seis meses. “Não há motivo para demorar mais do que isso. Já temos todo o regramento para veículos especiais e de cargas perigosas”, contou. O Inmetro afirmou ainda que a instituição procurou no ano passado a Liesa para que o órgão participasse mais ativamente da regulamentação do Carnaval. “Nós procuramos (a Liesa) para fazer a certificação. Ficou para ser feito este ano”, afirmou.

Assim que a padronização ficar pronta, a regulamentação deverá abordar todas as fases de construção de um carro alegórico, começando pela estrutura, parte de motores e funcionamento do carro no momento do desfile — como a parte elétrica. Além de criar a norma, o Inmetro também deverá ser o responsável por vistoriar e aprovar os carros alegóricos antes dos desfiles na Marquês de Sapucaí.

Engenheiros opinam 

Os engenheiros, no entanto, cobram ainda mais rigor para as alegorias que vão para a Avenida. Mesmo destacando que a Polícia Civil vai identificar as causas dos acidentes, o engenheiro civil especialista em estrutura e ex-conselheiro do Crea-RJ Antônio Eulálio aponta três hipóteses: falha de projeto, falha de execução e mau uso.

“O carro tem que ser projetado por engenheiro especializado em estrutura metálica, que é apto para montar a alegoria prevendo todas as hipóteses (peso da estrutura, vento, ações de frenagem, aceleração etc). Se isso não ocorre, há falha de projeto”, explica Eulálio.

Já a falha de execução acontece, segundo ele, quando se utiliza “mão de obra não qualificada”, resultando em “estrutura mal feita”. O mau uso é quando, por exemplo, o projeto especifica uma quantidade de pessoas por metro quadrado e esse limite não é respeitado.

Essa hipótese, inclusive, foi levantada por um integrante da alegoria da Unidos da Tijuca, em entrevista ao RJTV. O rapaz narrou que, nos ensaios, havia 16 pessoas, mas que, durante o desfile, o carro levava muito mais componentes.

Para o conselheiro do Clube de Engenharia e também especialista em estruturas, Manoel Lapa, os “engenheiros têm que participar efetivamente da concepção das alegorias”. Ele ressalta ainda que “não é seguro os componentes desfilarem sem nenhum tipo de proteção”: “Se alguém sobe num andaime, tem que ter cinto, capacete, todo esse material. Se vai subir num carro desse tamanho, tem que ter dispositivos também”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia