Mais Lidas

Secretário de Segurança pede R$ 8 milhões para o governo federal

Roberto Sá disse que recurso será usado para o policiamento de 17 áreas. Não há prazo para novo reforço da Força Nacional chegar ao Rio

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Rio - O secretário de Segurança, Roberto Sá, disse nesta quinta-feira que vai pedir para o governo federal R$ 8 milhões para atender a área. Segundo ele, com esse recurso a pasta pagaria o Regime Adicional de Serviço (RAS), que reforçaria o policiamento de 17 áreas. Com esse dinheiro, pelo menos 1,3 mil homens seriam utilizados. O aporte também seria usado em batalhões e delegacias. Não existe prazo para o reforço dos 100 homens da Força Nacional (FN) chegar ao Rio de Janeiro.

Secretário Roberto Sá se reuniu com o general Carlos Alberto Cruz nesta quinta-feiraRafael Nascimento / Agência O Dia

Sá recebeu nesta quinta-feira no Centro Integrado de Comando e Controle do Rio (CICC) o general Carlos Alberto Cruz, secretário nacional de Segurança Pública. Cruz disse que hoje só existem 100 agentes disponíveis para o Rio, mas que outros 250 podem ser retirados de outros estados para vir para o estado.

"O Rio é muito importante e o Governo Federal tem a vontade de dar o apoio necessário. Estamos analisando o que o Rio precisa para superar esta guerra. A partir de agora vamos discutir as medidas que deverão ser tomadas", prometeu o general.

Roberto Sá reforçou o discurso com Cruz de que é necessário aumentar as penas para quem trafica drogas, armas e munições. O secretário disse que o planejamento de onde serão colocados os agentes da FN sairá hoje. "Estamos detalhando uma logística para poder definir onde ficarão os agentes. A decisão fica pronta hoje. Toda ajuda é bem-vinda, mas infelizmente é paliativa", contou.

Crise nas comunidades pacificadas

O secretário de Segurança também comentou sobre a violência crescente em comunidades com Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Para Sá, o projeto foi uma tentativa "ousada demais" do governo estadual "com instrumento que tinha de segurança pública". 

"Não dispenso qualquer ajuda, mas medidas pontuais e operacionais são paliativas", disse o secretário Roberto SáRafael Nascimento / Agência O Dia

"Talvez estejamos pagando um preço caro por ter tentado levar essa experiência a essas áreas, inclusive as mais carentes. Estamos fazendo um diagnóstico das UPPs. Determinei que a inteligência da Polícia Civil analise todas as hipóteses, todas as alternativas são possíveis", explicou.

Além disso, Sá reforçou que a diretriz é fazer um policiamento comunitário e preservar os direitos dos moradores. "O crime organizado no Brasil e no Rio perdeu com isso [com a chegada das UPPs], estão tentando atrapalhar o tempo todo a política de pacificação. As forças públicas entraram onde eles estavam presentes e, com isso, eles perderam seu lucro. Essa decisão de continuar com a UPP é uma escolha difícil. Temos que preservar vidas. Temos um crime que precisa ser enfrentado por todos nós", completou.

Reportagem do estagiário Rafael Nascimento 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia