'A cidade resistiu', diz prefeito Marcelo Crivella após temporal no Rio

Segundo prefeito, redução da chuva e da maré vai ajudar a cidade a voltar à normalidade. Entretanto, tempo permanece instável nesta terça-feira

Por O Dia

Rio - Após o temporal que atingiu o Rio desde a noite desta terça-feira, provocando alagamentos e transtornos aos cariocas, Marcelo Crivella disse na manhã desta quarta-feira que o município suportou bem a forte chuva. O prefeito do Rio esteve no Cosme Velho, na Zona Sul, onde um deslizamento interditou parte da via. 

"Com, exceção de alguns desabamentos localizados, como este aqui, a cidade resistiu. A previsão é que a tarde acalme um pouco e a maré baixe, importantíssimo para o escoamento da água pluvial", disse.

Crivella acompanha trabalho em deslizamento no Cosme VelhoDivulgação

O inverno chegou na madrugada desta quarta-feira e com ele a chuva que insiste em castigar o Rio desde a noite de segunda-feira, quando entrou em Estágio de Atenção às 23h45. A capital registrou recorde de volume de chuva em um único dia para o mês de junho nos últimos 20 anos, com 247 milímetros no Alto da Boa Vista.

Segundo o Centro de Operações da Prefeitura do Rio (COR), com dados do Alerta Rio, 15 bairros ficaram inundados após chover mais que o esperado para todo o mês e motoristas e pedestres ainda têm dificuldades de transitar pela cidade. Quatorze sirenes em comunidades foram acionados por risco de deslizamento.

Nesta manhã, há alagamentos na Avenida Borges de Medeiros, altura do Parque dos Patins, na Lagoa, e o trânsito tem congestionamento. Equipes da Prefeitura usam uma bomba para tentar tirar o acúmulo de água. A Rio Águas informou que a Lagoa Rodrigo de Freitas está com alerta de transbordo desde às 5h05. As comportas do Jardim de Alah foram abertas à noite, porém, devido ao grande volume de chuva, há a possibilidade de transbordo. A Epitácio Pessoa, que também registrou alagamento, já teve a água escoada.

Na Avenida Brasil, bolsões d'água prejudicaram ainda mais o trânsito, no sentido Centro, com lentidão ao longo da via expressa. Na Linha Vermelha, o panorama é o mesmo desde o início da manhã, com retenções desde a Baixada, em direção ao Centro do Rio.

Trânsito parado na Linha Vermelha%2C no sentido Centro do RioTwitter / %40antoniopqdt

No bairro da Tijuca, o transbordamento do Rio Maracanã ocorreu pelo segundo dia seguido, alagando as principais vias do bairro por conta das fortes chuvas no Maciço da Tijuca e a maré cheia. A Avenida Maracanã chegou a ser interditada. Os reservatórios de águas pluviais da região atingiram capacidade quase total: Praça da Bandeira (96 %); Praça Vanhargen (95%) e Praça Niterói (90%). Não houve registros de interdições na Praça da Bandeira por alagamento e nem transbordamento nos reservatórios.

Na Rua Cosme Velho, uma queda de uma barreira durante a noite deixa o trânsito em meia pista no sentido Laranjeiras, na altura do Corcovado. O prefeito Marcelo Crivella este hoje pela manhã no local e acompanhou o início dos trabalhos de remoção do entulho.

"Esse foi o principal desabamento na cidade. E nós estamos tomando todas as providências Mobilizamos as equipes da prefeitura para atuar desde o início do temporal em várias regiões", disse Crivella.

Deslizamento de encosta deixa o trânsito em meia pista na Rua Cosme VelhoJonathan Ferreira/Agência O Dia

Desde ontem, a Zona Sul também vem sofrendo com a chuva, principalmente os bairros Jardim Botânico, Lagoa e Gávea. Somente no Jardim Botânico a chuva acumulada chegou a 130 milímetros, 60% a mais que o esperado para o mês. Um trecho de mais de um quilômetro da Rua Jardim Botânico virou um rio. O ponto mais crítico era o cruzamento com a Rua Pacheco Leão. O trânsito ficou interrompido nos dois sentidos e parou o trânsito, com com reflexos na Gávea, Leblon, Lagoa, Humaitá e Botafogo. A situação foi normalizada hoje pela manhã.

Em Curicica, na Zona Oeste, há 10 pontos de acúmulo de água na Estrada dos Bandeirantes, entre a Estrada Arroio Pavuna e o Rio Centro. O mesmo ocorre na Avenida das Américas, em ambos os sentidos, na altura do Shopping Barra World.

Além da chuva, outro agravante foi a ocorrência de maré alta na noite de terça-feira, o que manteve o nível do mar acima de um metro até o início da madrugada, dificultando o escoamento da água. A previsão para esta quarta é de chuva fraca a moderada, ocasionalmente forte, em pontos isolados da cidade.

Estrada de Jacarepaguá completamente inundadaSeguidora %40DaiSous / O Dia 24 Horas

Sirenes em comunidades acionadas

A forte chuva acionou as sirenes do Sistema de Alerta, que detectam risco de deslizamento comunidades do Rio. Até às 8h30, 14 sirenes tinham sido acionadas em sete morros da cidade: Borel e Formiga (Tijuca), Prazeres, Escondidinho e Vila Elza (Santa Teresa), Santa Alexandrina (Rio Comprido), Guararapes (Cosme Velho), Rocinha e Rio das Pedras.

Quedas de árvores também foram registradas após a chuva, nos bairros da Gávea, São Conrado, Copacabana e Tijuca. Equipes da CET-Rio, Corpo de Bombeiros e Comlurb trabalham nos locais. 

Aeroportos operam por instrumentos

Na manhã desta quarta-feira, os aeroportos Santos Dumont, no Centro do Rio, e Internacional Tom Jobim, no Galeão, operaram com o auxílio de instrumentos para pousos e decolagens por conta do mau tempo na cidade. Ainda não há informações sobre atrasos ou cancelamentos.

Mesmo com a chuva intensa na cidade, os transportes — trens, metrô, barcas, BRT e VLT funcionam normalmente na manhã desta quarta-feira.

Últimas de Rio De Janeiro