Mais Lidas

Megaoperação em comunidades deixa mais de 22 mil alunos sem aulas

Ao todo, são 31 escolas, 11 creches e 12 Espaços de Desenvolvimento Infantil fechados na cidade nesta segunda-feira

Por gabriela.mattos

Rio - A megaoperação das forças de segurança em comunidades do Rio deixou 22.548 alunos sem aulas na manhã desta segunda-feira. O número é recorde neste ano. De acordo com informações da Secretaria Municipal de Educação, 31 escolas, 11 creches e 12 Espaços de Desenvolvimento Infantil (EDI) não abriram na cidade.

Escolas do Jacarezinho voltaram a fecharFotos%3A Maíra Coelho / Agência O Dia / Arquivo

O local mais atingido foi Manguinhos, na Zona Norte do Rio, onde 5.685 estudantes foram prejudicados. Ao todo, seis colégios, quatro creches e dois EDIs fecharam na comunidade e em Benfica, bairro no entorno da favela. Já no Complexo do Alemão, cinco escolas, seis EDIs e uma creche não abriram, deixando 5.604 jovens fora das salas de aula nesta segunda.

Segundo a secretaria, Higienópolis também registrou um grande número de estudantes sem aulas: ao todo, seis escolas fechadas com 3.479 estudantes. No Jacarezinho, onde os moradores viveram dez dias seguidos de tiroteio, 2.395 alunos ficaram longe dos colégios nesta segunda. Quatro escolas, quatro creches e dois EDIs fecharam as portas.

Em Del Castilho, 1.502 pessoas foram prejudicadas em quatro escolas e um um EDI. Enquanto isso, a secretaria registrou 1.455 alunos sem aulas no Rocha e em Triagem. Ao todo, dois colégios e um EDI não abriram nesta manhã. No Complexo do Chapadão, foram 1.304 pessoas em duas escolas e duas creches. 

Os dois locais menos atingidos foram Maria da Graça, com apenas uma escola fechada e 850 estudantes prejudicados, e Cachambi, com 274 alunos e um colégio. 

Em coletiva nesta segunda-feira no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), o subsecretário estadual de Comando e Contole, Rodrigo Alves, se justificou dizendo que o terror não é causado pela polícia, mas sim pelos criminosos. "A população está aterrorizada pelos bandidos. A polícia não aterroriza ninguém. Quem coloca a população em risco são os bandidos", defendeu.

O subsecretário afirmou ainda que não havia necessidade de fechamento de escolas, porque não foram registrados tiroteios em horários escolares. "Começamos a operação antes do fluxo de pessoas. As escolas poderiam abrir, pois no horário escolar as comunidades já estavam estabilizadas", disse.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia