'A família está destruída e desolada', diz nora de idoso morto na Rocinha

Antônio Ferreira da Silva, o 'Marechal', de 70 anos, morreu vítima de bala perdida enquanto jantava

Por RAFAEL NASCIMENTO

Morador, conhecido como Marechal, morreu em confronto na comunidade na noite desta quarta-feira
Morador, conhecido como Marechal, morreu em confronto na comunidade na noite desta quarta-feira -

Rio - Familiares e amigos de Antônio Ferreira da Silva, de 70 anos, morto nesta quarta-feira à noite na Favela da Rocinha, foram ao Instituto Médico-Legal (IML), em São Cristóvão, na manhã desta quinta. Uma nora de Antônio, que não quis se identificar, disse que o idoso deixa cinco filhos e netos. Ele morava na favela com uma filha há mais de 50 anos.

"Ele morreu enquanto estava comendo uma quentinha. A família está destruída e desolada", disse a nora. Antônio, que era conhecido como Marechal, trabalhava fazendo reparos em eletrodomésticos. A nora dele não soube informar quando e onde será o funeral.

Antônio foi atingido no rosto por uma bala perdida durante confronto entre PMs e traficantes. O policial militar Felipe Santos de Mesquita morreu na troca de tiros. O cabo será enterrado nesta tarde, no Jardim da Saudade de Sulacap, na Zona Oeste do Rio.

Marechal, segundo vizinhos, sempre ajudava quem precisava. Ontem, morreu no local onde passou boa parte da vida. Enquanto a família do idoso liberava o corpo, parentes e amigos do PM Felipe Santos faziam o mesmo. Os familiares de Felipe não quiseram falar com a imprensa. Apenas disseram que ele "gostava do que fazia, morava com os pais e era solteiro".

O confronto 

No confronto entre traficantes de drogas e militares, Antônio foi atingido por bala perdida no rosto e não resistiu. O PM Felipe Santos levou tiro no abdômen, chegou a ser socorrido e encaminhado por colegas da PM para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, também na Zona Sul. Ele morreu na unidade.

A PM informou que o confronto começou quando policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) local foram atacados por criminosos armados, no momento em que realizavam um patrulhamento no Largo do Boiadeiro. Houve confronto. Ainda de acordo com a corporação, por conta do intenso confronto, homens do Batalhão de Choque foram deslocados para o local. Além do Choque, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) também chegou a ser acionado.

 

Comentários