Mais Lidas

Sem cabelo para exame, motorista corre o risco de ficar sem dirigir

Há quase um mês, zelador careca tenta renovar Habilitação, mas não pode fazer o teste toxicológico

Por MARIA INEZ MAGALHÃES

Rubemar foi orientado, ontem, a tentar, com atestado médico, se submeter ao exame com unhas e pelos. Ele precisa da categoria D porque também trabalha como motorista
Rubemar foi orientado, ontem, a tentar, com atestado médico, se submeter ao exame com unhas e pelos. Ele precisa da categoria D porque também trabalha como motorista -

Rio - É dos carecas que elas gostam mais, diz a música de Arlindo Marques Jr. e Roberto Roberti. Mas às vezes, o tal charme pode dificultar um pouco. Há um mês o zelador Rubemar Francisco Martins Nunes, o Mazinho, 39 anos, está tentando, renovar a Habilitação categoria D, mas não consegue por falta de cabelo. E qual relação entre ser careca e dirigir? Ele conta.

"Fui ao posto do Detran de Neves, em São Gonçalo, e me disseram que tenho que fazer exame toxicológico com cabelo da cabeça, mas como vou fazer se sou careca? Me sugeriram voltar um mês depois, mas o meu cabelo não vai crescer", questiona ele, que precisa da CNH D porque faz serviços de motorista para complementar a renda. O exame toxicológico é obrigatório para as carteiras nas categorias C, D e E.

O zelador contou que também no posto de Neves foi sugerido a ele, como solução para o problema, a renovação da Habilitação com categoria B, que não exige o exame toxicológico. "Não aceitei. Tenho a carteira D há uns 15 anos e também dependo dela para trabalhar. Estou agoniado porque o prazo para renovar está se esgotando e eu não vou poder dirigir", contou. O motorista voltou ontem ao posto de Neves e, mais uma vez saiu de lá com uma sugestão e não com a solução para o problema.

"Me pediram para arrumar um atestado de um dermatologista dizendo que eu não tenho pelo e que, com esse atestado, vou em uma clínica que faz o exame através da unha, só que não me deram certeza que vou poder fazer o exame com esse material, então continuo na mesma", lamentou ele, que já pagou o Duda (Documento Único do Detran de Arrecadação), no valor de R$ 140. Já o exame toxicológico custa R$ 215, mas para fazê-lo, segundo orientação do Detran de Neves, ele terá que apresentar o atestado antes.

A Habilitação de Mazinho venceu no último dia 2 mas pela lei ele pode ainda dirigir por apenas mais um mês com o documento. "Mas até lá será que consigo renovar?", questiona. Dirigir com CNH vencida por mais de 30 dias após o vencimento é uma infração gravíssima, que gera sete pontos e multa de R$ 191,54. O infrator está sujeito também ao recolhimento da Carteira e retenção do veículo até a apresentação de condutor habilitado, com a Habilitação em dia.

Na corrida contra o tempo o motorista disse que já pensa em resolver a questão judicialmente. "Mas demora muito. Não sei o que fazer", se queixa o motorista.

Melhor é fazer o exame antes

A assessoria de imprensa do Detran informou que a Resolução 691/2017, do Conselho Nacional de Trânsito, estabelece que o exame toxicológico é feito através da coleta de fios de cabelo, pelos ou unhas em laboratórios credenciados pelo Departamento Nacional de Trânsito. O laudo, de acordo com a assessoria, demora, em média, 15 dias.

O Detran orienta que esses motoristas façam primeiro o exame toxicológico e, com o laudo em mãos, agendem os exames psicológico e médico feito nas clínicas credenciadas ao órgão. Depois de aprovado e com a fotografia, impressão e assinatura digitais colhidas nos postos de Habilitação, a CNH é entregue em prazo de cinco dias úteis. Os postos de habilitação têm a relação dos laboratórios credenciados.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários