Mais Lidas

Quatro presos em megaoperação contra milícia eram das Forças Armadas

Entre os 168 presos havia três soldados do Exército, um da Aeronáutica e um bombeiro

Por O Dia

Presos em operação foram levados para a Cidade da Polícia
Presos em operação foram levados para a Cidade da Polícia -

Rio - Entre os 168 presos pela Polícia Civil em megaoperação contra milicianos neste sábado, havia três soldados do Exército, um da Aeronáutica e um bombeiro militar. O chefe de Polícia, Rivaldo Barbosa, ressaltou que houve resistência dos criminosos e confronto com fuzis. O bando participava de uma festa em Santa Cruz, na Zona Oeste. Apontado como o líder do grupo, Wellington da Silva Braga, o Ecko, conseguiu fugir quando os agentes chegaram. Quatro homens que faziam a sua segurança morreram. Além dos presos, 7 menores foram apreendidos. A milícia atua na Zona Oeste e na Baixada Fluminense.

A polícia afirmou ainda que essa milícia, a maior do estado, ficou enfraquecida após a operação. "Não vamos diminuir a nossa força e vamos atuar, incessantemente, contra os milicianos. Não vamos recuar", disse Barbosa.

O grupo estava adotando práticas criminosas típicas do tráfico. Segundo a polícia, eles faziam ameaças e executavam moradores que não aceitassem regras impostas pela quadrilha. Os milicianos permitiam, ainda, a presença de traficantes em suas regiões, abrindo espaço para venda de drogas e roubo de cargas. Como contrapartida, o tráfico pagava um percentual do que faturava.

A ação contou com 40 homens da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), 27ª DP (Vicente de Carvalho) e 35ª DP (Campo Grande). Foram apreendidos 12 fuzis, 15 pistolas e quatro revólveres, além de um simulacro de fuzil. Os agentes apreenderam também uma granada, e 10 carros roubados foram recuperados.

O delegado assistente da DHBF, Fábio Salvadoretti, chamou atenção para o modo de atuação violento da quadrilha. "É um grupo de sanguinários que exterminam pessoas de bem, e suas ações em nada diferem das práticas do tráfico. Se a pessoa não paga uma taxa que acredita não ser devida, eles a executam".

Ecko é irmão de Carlos Alexandre Braga, o Carlinhos Três Pontes, morto em 2017, em uma operação da Polícia Civil.

"O grupo exercia ainda influência em cidades da Baixada, como Itaguaí e Seropédica, e se expandia para a Costa Verde. Essa operação vai impactar nos índices de letalidade nas regiões em que a quadrilha atuava", disse o delegado titular da DHBF, Daniel Rosa.

No evento de pagode que acontecia no Sítio Três Irmãos, alugado para a festa, os milicianos eram os protagonistas e tinham direito até a pulseiras vips. Os agentes chegaram ao local às 4h15m e foram, prontamente, 'recebidos' a tiros. "A ordem deles era atirar na polícia para proteger o chefe. E foi o que aconteceu", contou Salvadoretti. Nos fundos da casa, policiais encontraram uma escada, possivelmente usada na fuga do líder da quadrilha.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Presos em operação foram levados para a Cidade da Polícia Daniel Castelo Branco / Agência O Dia
Armas de grosso calibre apreendidas com milicianos no Rio Daniel Castelo Branco / Agência O Dia
Presos em operação contra a milícia foram levados inicialmente para a Cidade da Polícia Daniel Castelo Branco / Agência O Dia
Presos em operação foram levados para a Cidade da Polícia Daniel Castelo Branco / Agência O Dia
Presos em operação foram levados para a Cidade da Polícia Daniel Castelo Branco / Agência O Dia
Suspeitos foram presos numa festa, em Santa Cruz, mas líder da milícia conseguiu fugir WhatsApp O DIA (98762-8248)