Plano para Segurança sai após 100 dias

Documento recomenda a contratação de militares da reserva por período de um ano

Por

Militares na Cidade de Deus, uma grande operação com apoio da forças armadas ,Cidade de Deus onde tem acontecido varios tiroteios, Foto Severino Silva Agencia O Dia -

Mais de cem dias após o início da intervenção federal na Segurança Pública do Rio, o gabinete comandado pelo general Walter Braga Netto finalizou o plano estratégico de atuação. No documento de 80 páginas há a proposta de contratar militares da reserva para atuar na Polícia Militar ou Bombeiros por até um ano. O grupo também defende a necessidade de maior poder de atuação da PM sobre desmanches de veículos, um sistema unificado de emergência concentrado no 190 e mais eventos cívicos em quartéis, batalhões e ruas.

A portaria com o plano, obtido pelo jornal O Estado de S. Paulo, foi assinada pelo general em 29 de maio. Lista 66 metas em cinco eixos: diminuição dos índices de criminalidade, recuperação da capacidade de operação dos órgãos de Segurança, articulação entre os entes federativos, fortalecimento do caráter institucional da Segurança e do sistema prisional, e melhoria da qualidade da gestão prisional.

O gabinete diz precisar de R$ 1 bilhão, o que já foi dito. Parte das propostas já começou a ser implementada doação de armas, equipamentos e blindados, além de treinamento de pessoal. Outra foi anunciada: a contratação de mil PMs. Na diminuição dos índices de criminalidade há meta de queda a ser buscada pelas polícias. Na parte prisional, há a proposta de modernização do sistema e rede de monitoramento por câmeras nas cadeias.

A medida de contratar militares da reserva, já experimentada no país, é vista pela professora do Departamento de Segurança Pública da UFF Jacqueline Muniz, como perigosa. "A violência e as violações podem ser maximizadas porque os reservistas não têm como exercer plenamente o poder de polícia", disse. Apesar da crítica, ela elogiou a disposição de elaboração do plano.

No diagnóstico presente no documento, os interventores ligam corrupção e violência. "O que se observa nos últimos 30 anos é o crescimento da violência e a degradação da Segurança Pública no Rio. Os altos índices de corrupção e aparelhamento da máquina tiveram reflexos nas políticas de Segurança. A gestão ineficaz, fraudulenta e irresponsável dos recursos do Estado implicou insolvência do mesmo."

Operação prende 15 e deixa um suspeito morto

O Gabinete da Intervenção Federal realizou ontem operação com mais de 5 mil homens das Forças Armadas e polícias estaduais em seis comunidades de Jacarepaguá, na Zona Oeste, que deixou um suspeito morto em confronto, um policial ferido e efetuou 15 prisões. Um acidente envolvendo uma motocicleta da escolta de um comboio que participava da ação deixou ainda dois mortos na Avenida Brasil: o militar do Exército Thiago Souza Onório, de 23 anos, que conduzia o veículo e um homem que seria usuário de crack e foi atropelado na via.

As forças de segurança estiveram na Cidade de Deus, Gardênia Azul, Outeiro, Vila do Sapê, Parque Dois Irmãos e Morro da Helena. Por se tratar de uma rota de fuga, a Polícia Militar atuou também no Complexo do Lins, onde um oficial da UPP local foi ferido sem gravidade. A Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá ficou fechada nos dois sentidos por mais de cinco horas, das 5h50 às 11h10.

Durante toda a operação foram apreendidas três pistolas, uma granada, munição de diversas armas e cerca de 60 quilos de maconha. Um local usado para embalar drogas foi estourado. A ação envolveu cerco e remoção de pelo menos três barricadas de traficantes. Além disso, revistas de pessoas e veículos foram realizadas.

De acordo com o coronel Carlos Cinelli, porta-voz do Comando Militar do Leste (CML), essa é uma das maiores ações no âmbito da intervenção no estado, tanto pelo número de militares quanto pela região abrangida.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro