Operação na Zona Oeste tem ao menos 15 presos; militares continuam na região

A operação, que não tem prazo para terminar, conta com o apoio de 5 mil agente das forças de segurança. Até o momento, três morreram e um policial ficou ferido

Por O Dia

Militares na Cidade de Deus, uma grande operação com apoio da forças armadas
Militares na Cidade de Deus, uma grande operação com apoio da forças armadas -

Rio - A megaoperação realizada, nesta quinta-feira, pelas Forças Armadas, em seis comunidades de Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio, chega a 15 prisões e três mortes. A operação, que não tem prazo para terminar, conta com o apoio de 5 mil agente das forças de segurança na Cidade de Deus, Gardênia Azul, Outeiro, Vila do Sapê, Parque Dois Irmãos e Morro da Helena. A Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá chegou a ficar fechada nos dois sentidos por mais de 5 horas na parte da manhã.

Segundo o Exército, até o momento, 15 pessoas foram presas e cinco menores apreendidos. Além disso, dois celulares, três pistolas, dois rádios transmissores, uma granada, drogas - ainda não quantificadas - e cartuchos de fuzil e pistola foram apreendidos também.

Ainda de acordo com o Exército, um militar batedor morreu ao atropelar um usuário de crack, na Avenida Brasil, quando fazia escolta das Forças Armadas. A vítima também morreu na hora. Um criminoso morreu durante o confronto com militares da Cidade de Deus. Já no Complexo do Lins, onde atuavam contra o roubo de cargas, um oficial da PM UPP (Lins) foi ferido sem gravidade.

De acordo com o coronel Carlos Cinelli, porta-voz do Comando Militar do Leste (CML), essa é uma das maiores ações no âmbito da intervenção no estado, tanto pelo número de militares quanto pela região abrangida.

Na operação desta quinta são empregados 4.600 militares das Forças Armadas, 420 policiais militares e 350 policiais civis, com apoio de blindados, aeronaves e equipamentos pesados de engenharia. Não houve interferência nas operações dos aeroportos.

 

Últimas de Rio de Janeiro