Plano de ações da Intervenção será entregue para Michel Temer nesta quinta-feira

Documento de 80 páginas pede concursos para as polícias, convocação de aprovados e compra de armas, coletes, munições e veículos. A seis meses do fim, transição para militares entregarem a segurança para o próximo governo já está pronto

Por RAFAEL NASCIMENTO

General Braga Netto (último à direita) durante seminário para debater a intervenção no estado
General Braga Netto (último à direita) durante seminário para debater a intervenção no estado -

Rio - Quase quatro meses após a implantação da intervenção federal da segurança no Estado do Rio, um plano de ações será entregue pelo interventor, general Walter Braga Netto, ao presidente Michel Temer. Entretanto, faltando seis meses para o fim do trabalho das Forças Armadas e sem ter usado nada do R$ 1,2 bilhão destinado pela União, a transição para 'passar o bastão' para o próximo governador já está pronto.

"Essa é uma janela de oportunidade, quando chegamos os policiais estavam fazendo milagre. A intervenção será um case de sucesso", falou Braga Netto, que não deixou a imprensa filmar ou gravar suas falas durante seminário na Associação Comercial do Rio (ACRJ), na manhã desta quarta-feira. O general disse que a burocracia impediu o uso da verba de R$ 1,2 bilhão. 

Entre os pedidos que estão no plano de ações, de 80 páginas, estão a homologação de concursos para a Polícia Militar, para delegados e oficiais de cartório da Polícia Civil, para a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), convocação de papiloscopistas aprovados em concurso de 2014, além da compra de equipamentos para os policiais.

Outra decisão tomada pela intervenção será a convocação de 978 policiais militares que estão afastados de licença médica. Eles serão reavaliados pelo Exército para saber se podem voltar para as ruas ou se farão serviços administrativos. 

De acordo com dados divulgados durante o evento, desde o início da intervenção foram realizadas 51 operações das forças de segurança. Entretanto, para Silvia Ramos, coordenadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes e responsável pelo Observatório da Intervenção, o trabalho dos militares não trouxe benefícios. "O resultado da intervenção é precário. É inadmissível gastarem tanto e não ter resultado nenhum", disse. O gasto de cada ação militar está na faixa de R$ 7 milhões, segundo a pesquisadora.

UPP virou 'interesse político', diz interventor

Uma fonte ouvida pelo DIA, ligada ao Gabinete de Intervenção, disse que as Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) do Complexo do Alemão e da Providência estão na fila para serem extintas até agosto, assim como a da Cidade de Deus, conforme noticiado nesta quarta-feira. Nove mil policiais vão ser realocados para outros batalhões e companhias destacadas que serão criadas nesta comunidades. Braga Netto disse que o projeto pacificador começou bem, mas interesses políticos prejudicaram o trabalho.

"A UPP era excelente no começo, como a do Dona Marta. Muitas funcionavam muito bem, mas por interesses políticos foram expandidas sem nenhuma estrutura. Agora estão sendo reavaliadas", disse o interventor.

Entre as unidades que serão extintas estão as da Cidade de Deus, Camarista-Méier, Fallet-Fogueteiro, Providência, Jacarezinho, Arara-Mandela, São João, Complexo do Alemão, Vila Cruzeiro e Rocinha.

Últimas de Rio de Janeiro