Cavendish é condenado por lavagem de dinheiro e associação criminosa

Sentença foi dada nesta quarta-feira pelo juiz federal Marcelo Bretas na ação penal da Operação Saqueador

Por CÁSSIO BRUNO

Fernando Cavendish
Fernando Cavendish -

Rio - Ex-dono da Delta Construções, o empresário Fernando Cavendish foi condenado nesta quarta-feira a quatro anos, dois meses e dez dias de prisão por lavagem de dinheiro e associação criminosa. A sentença foi do juiz federal Marcelo Bretas na ação penal da Operação Saqueador, um dos desdobramentos da Lava Jato no Rio. 

Inicialmente, Fernando Cavendish cumprirá a pena em regime semiaberto. Além dele, outras 14 pessoas também foram condenadas, incluindo o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. No despacho, de 205 páginas, o magistrado afirmou que Cavendish era o "grande beneficiário das práticas de lavagem de dinheiro".

Em 2016, o Ministério Público Federal indicou que o esquema de corrupção desviou R$ 370 milhões dos cofres públicos por meio de caixa dois da Delta para as empresas de Carlinhos Cachoeira e de Adir Assad. Cachoeira pegou nove anos e seis meses de reclusão

Fernando Cavendish confessou o crime. O empresário admitiu que o dinheiro foi usado para pagar propina ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB), que está preso. Cabral não é réu nesse processo.

Cavendish disponibilizou ainda R$ 375 milhões em créditos da Delta para a Justiça Federal. A devolução do dinheiro possibilitou a redução de sua pena em três anos e nove meses de prisão.

Em 7 de agosto de 2017, Fernando Cavendish afirmou à Justiça Federal que acertou pagamento de 5% de propina pedida, segundo o empresário, por Cabral para que a Delta fizesse parte do consórcio das obras do Maracanã para a Copa do Mundo, em 2014.

Em dezembro do mesmo ano, Cabral disse que não atuou na escolha das empresas que participaram da licitação para a reforma do Maracanã. O ex-governador classificou também como "presente de puxa-saco" o anel de 220 mil euros dado a sua esposa, Adriana Ancelmo, por Cavendish, em 2009. Cabral e o empresário foram amigos por anos.

Últimas de Rio de Janeiro