Defensoria consegue liberdade para três jovens em megaoperação na Zona Norte

Rapazes que são da mesma família foram presos por causa de mensagem de celular sobre a presença das Forças de Segurança na comunidade

Por O Dia

Megaperação realizada pelas Forças Armadas no Alemão e na Maré, na Zona Norte do Rio
Megaperação realizada pelas Forças Armadas no Alemão e na Maré, na Zona Norte do Rio -

Rio - Três dos quatro jovens de uma mesma família, presos durante a operação conjunta do Exército e das Policias Civil e Militar, poderão ser soltos ainda nesta quinta-feira, de acordo com com uma liminar obtida pela Defensoria Pública do Estado (DPRJ) no plantão judiciário desta madrugada. A prisão dos jovens aconteceu nas primeiras horas da ação coordenada pelas Forças de Segurança nos Complexos da Maré, Alemão e da Penha, na Zona Norte do Rio, na última segunda e terça-feira.

De acordo com a DPRJ, os jovens estavam em casa e não havia no local qualquer indício de envolvimento deles com práticas criminosas. A liminar beneficia Douglas Marcio Santos do Nascimento, Marcus Vinícius Santos Soares e Marcio Santos Soares. Após ser procurada pela família, a Defensoria pediu, nesta manhã, a extensão dos efeitos da liminar para o outro jovem, que é vizinho dos rapazes e estava presente na residência na hora de prisão.

A defensora Bruna Dutra, que atuou no caso, diz que a prisão se deu com base em troca de mensagens sobre a operação, feita pelos jovens por meio de um aplicativo de celular."A Defensoria ajuizou o habeas corpus no plantão noturno para pedir o relaxamento das prisões porque, durante a operação, os policiais ingressaram na residência dos jovens, sem autorização judicial, ocasião em que, mesmo após minuciosa revista, não encontraram absolutamente nada de ilícito em poder deles",  explicou.

Em razão das mensagens – segundo os jovens, enviadas para avisar pessoas próximas sobre o início da operação – eles foram presos sob a acusação de associação ao tráfico e corrupção de menores, já que havia dois adolescentes no local, pertencentes à família. Segundo Bruna, assim como a revista na residência, a violação das conversas realizadas por meio do celular também foi feita sem autorização judicial.

"Os policiais violaram o sigilo telefônico dos aparelhos de celular encontrados e conduziu todos à Delegacia de Polícia, onde foi formalizada a prisão em flagrante. Destacamos no pedido que todos os detidos eram integrantes de uma mesma família, que se encontravam recolhidos em sua residência em razão da operação que ocorria na comunidade, razão pela qual não havia qualquer justificativa legal para a violação do domicílio e do sigilo de dados telefônicos sem a devida autorização judicial nem, muito menos, para a prisão em flagrante", ressaltou a defensora.

Ilegalidade

Ao analisar o caso, o desembargador Paulo Baldez, que estava de plantão, constatou a inexistência de “qualquer informação acerca do recolhimento, em poder dos indivíduos revistados, de objeto ilícito ou de qualquer outro material no interior do imóvel” que justificasse a prisão.

"Após a análise dos autos e das circunstâncias que envolveram os fatos, exsurge, de forma inevitável e, desde logo, consistentes indícios acerca da ilicitude da atuação policial, em especial no que se refere ao acesso aos dados telefônicos apreendidos, único elemento a lastrear a prisão em flagrante e a amparar a decretação, pela autoridade impetrada, da custódia cautelar em desfavor dos pacientes [no caso, os jovens], enfraquecendo, com isso, a legalidade da constrição [prisão] dos pacientes, que não restou demonstrada",  escreveu o desembargador na liminar.

Para o defensor público Daniel Lozoya, do Núcleo de Direitos Humanos, o caso é emblemático e mostra a necessidade de se resguardar os direitos humanos dos moradores das comunidades. "Trata-se de caso emblemático de flagrante violação da privacidade dos dados contidos em telefones celulares, por ausência de autorização judicial, o que torna ilícita a obtenção da suposta prova de incriminação e caracteriza a ilegalidade da prisão, além de outras circunstâncias questionáveis que serão melhor apuradas no processo", afirmou.

Audiências de custódia

Nesta terça e quarta-feira, a Defensoria Pública visitou às comunidades da Maré e do Alemão. A revista nos celulares foi a principal queixa dos moradores.

Segundo balanço divulgado pelas Forças de Segurança, 70 pessoas foram presas durante a operação nos Complexos da Maré e do Alemão. De acordo com a defensora Caroline Tassara, que coordena o núcleo da Defensoria que atua nas audiências de custódias, alguns dos detidos que foram submetidos ao procedimento apresentavam indícios de violência física.

"Em um caso, três pessoas apresentadas na audiência de custódia nessa quarta estavam visivelmente machucadas, com indícios de agressão. Mas um deles, não quis representar contra os agentes por medo de represália", afirmou.

A Defensoria Pública acompanha, nessa quinta (23), as pessoas que faltam ser apresentadas na audiência de custódia que analisará a legalidade de suas prisões. O procedimento começa às 13h e é realizado na Central de Audiência de Custódia, que fica Cadeia Pública José Frederico Marques Rua Célio Nascimento, em Benfica.

Últimas de Rio de Janeiro