Mais Lidas

Morte no Alemão: DH apreende armas de sete policiais militares

Testemunha afirma que jovem foi executado por PMs quando pulava laje

Por Bruna Fantti

Anderson Cardoso tinha 17 anos
Anderson Cardoso tinha 17 anos -

Rio - As armas de sete policiais militares foram apreendidas nesta terça-feira pela Delegacia de Homicídios (DH) e serão enviadas para a perícia. O intuito é saber se algum deles foi o autor do disparo que matou o adolescente Anderson Cardoso, de 17 anos, na manhã desta terça, no Complexo do Alemão. Não foi encontrada arma com o jovem, que, segundo testemunha, teria sido executado.

"A testemunha relata que ele (Anderson) acordou e subiu na laje. Nesse momento, os policiais teriam pedido para ele pular. Ele pulou e os agentes teriam feito um disparo", relatou um agente da DH, responsável pela investigação, que preferiu não se identificar. O corpo do jovem foi encaminhado para o IML para exame de necropsia.

O comando da UPP Nova Brasília informou que policiais militares em patrulhamento pela comunidade foram recebidos a tiros nessa localidade e houve confronto. Após o fim do tiroteio, uma pessoa do sexo masculino foi encontrada ferida e morta. "Nas proximidades do corpo havia um artefato explosivo de fabricação caseira", destacou a corporação na nota.

Até a noite de ontem, os agentes, que não tiveram os nomes revelados, prestavam depoimento na sede da especializada.

De acordo com uma publicação do 'Coletivo Papo Reto' no Facebook, o rapaz era morador da localidade conhecida como 'Predinhos da Sem Saída', e a mãe teria presenciado a morte do filho.

Durante o dia, várias trocas de tiros foram registradas em diferentes pontos nos morros do Adeus e da Baiana, locais em que policiais do Comando de Polícia Pacificadora (UPP) fizeram operações desde o início da manhã. O objetivo, segundo a PM, era localizar os esconderijos de criminosos, armas e drogas.

Suspeito ferido

Segundo a UPP, equipes foram recebidas a tiros na comunidade do Adeus e houve confronto. Um suspeito ficou ferido e foi socorrido para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. Até a noite de ontem, não havia informações sobre seu estado de saúde. Uma pistola foi apreendida na ação.

Nas redes sociais, além de fotos da mãe chorando ao lado do corpo de Anderson, foram postados vídeos que mostram o blindado branco da UPP, conhecido como 'Caveirão da Paz', amassando as laterais de carros estacionados nas vielas da comunidade. A corporação não respondeu se deve arcar com o prejuízo dos donos dos veículos.

Moradores também fizeram postagens relatando o medo por conta dos tiroteios. "1º de outubro de 2018 iniciando com muitos tiros em algumas áreas do Complexo do Alemão. É disso que estamos falando, aqui não existe lei. Aqui pé na porta é normal, escolas fechadas também", escreveu uma moradora na internet.

Até o fechamento desta edição, não havia informações sobre o local e horário do sepultamento do jovem.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários