Ex-Furacão 2000, mulher trans é atacada com barra de ferro por apoiadores de Bolsonaro

Julyanna Barbosa, ex-vocalista do grupo, foi agredida em passarela de Nova Iguaçu, após responder a ambulantes que a ameaçaram: 'Bolsonaro vai ganhar para acabar com os veados. Essa gente lixo tem que morrer'

Por O Dia

Jullyana Barbosa, ex-vocalista do Furacão 2000, é atacada em Nova Iguaçu
Jullyana Barbosa, ex-vocalista do Furacão 2000, é atacada em Nova Iguaçu -

Rio - Golpes de barra de ferro na cabeça e no pescoço, chutes e socos pelo corpo. O simples fato de ser trans quase pôs fim à vida de Julyanna Barbosa, de 41 anos, ex-vocalista da Furacão 2000. Ela estava sozinha subindo a passarela que corta a Via Dutra, na altura da Grã-Fino, no Centro de Nova Iguaçu, por volta das 9h de sábado, quando ambulantes começaram a gritar que "Bolsonaro vai ganhar para acabar com os veados, essa gente lixo tem que morrer".

"Eu argumentei que não estava mexendo com ninguém, perguntei por que eles me chamaram de lixo e disse que mereço respeito. Foi aí que um deles pegou a barra de ferro numa barraca e começou a me agredir. Na primeira pancada eu fiquei tonta e caí. Logo depois vieram mais três, quatro homens dando socos e chutes em mim. Perdi muito sangue, mal conseguia ver direito", conta Julyanna, que como cantora solo usa o nome artístico Garota X.

Pessoas que passavam pelo local tiraram a vítima do chão e a levaram para uma casa da região, longe dos criminosos. Socorrida na UPA de Queimados, a cantora levou dez pontos na cabeça (o exame de corpo delito será feito nesta quinta). O passo seguinte foi recorrer à Coordenadoria de Políticas para a Diversidade Sexual de Mesquita, presidida pela também trans Paulinha Única, que a orientou fazer um boletim de ocorrência.

"O atendimento na 56ª DP (Comendador Soares) foi muito humano, o delegado Matheus Romanelli tem o entendimento de que todos devem ser tratados da mesma forma, com cordialidade. É um policial que já demonstrou diversas vezes que compreende nossa causa", diz Neno Ferreira, presidente da Associação de Gays e Amigos de Nova Iguaçu e Mesquita (Aganim) e assessor de Julyanna: "É muito triste que pessoas sejam agredidas assim".

Imagens da cantora, que é trans, ferida foram divulgadas em redes sociais - Divulgação

Coordenador executivo do Grupo Arco-Íris de Cidadania e diretor de Políticas Públicas da Aliança Nacional LGBTI (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Intersexuais), Cláudio Nascimento vê com preocupação a explosão dos casos de ataques à comunidade. Segundo ele, desde domingo, dia da eleição, o grupo já registrou 15 ocorrências.

"Em todos os casos ligados à eleição os acusados se dizem eleitores do Bolsonaro, falam com muita violência, sem nenhum tipo de respeito. São pessoas que estão encorajadas para agir desse jeito. São crimes pelo Brasil inteiro, como um gay de Curitiba que foi torturado, morto e jogado dentro de um armário, a pixação em um colégio de Laranjeiras agredindo lésbicas...", enumera Nascimento, também vítima da intolerância: "Depois de votar, a caminho de casa, passei em frente a um bar em Copacabana e um grupo com camisas do Bolsonaro gritou que os veados terão duas opções: voltar para o armário ou morrer".

O Grupo Arco-Íris de Cidadania pede que qualquer ameaça (verbal ou física) seja registrada na delegacia mais próxima. Além disso, as vítimas devem procurar a entidade para relatar o ocorrido: "Precisamos dessas informações, porque o grupo consolida tudo isso. Pedimos que os órgãos de segurança estejam muito atentos ao policiamento nestes dias. É muito mais do que garantir o direito de ir e vir, é garantir nosso direito de existir".

Galeria de Fotos

Jullyana Barbosa, ex-vocalista do Furacão 2000, é atacada em Nova Iguaçu Divulgação
Imagens da cantora, que é trans, ferida foram divulgadas em redes sociais Divulgação

Últimas de Rio de Janeiro