Jovem de 21 anos e namorado são presos suspeitos de matarem a mãe dela

Paloma Botelho Vasconcelos e Gabriel Molter Neves teriam usando formol, fitas e sacos plásticos para assassinar a comerciante Dircilene Botelho Garcia, em Petrópolis

Por O Dia

O casal de namorados
O casal de namorados -

Rio - Policiais da delegacia de Petrópolis (105ª DP) prenderam Paloma Botelho Vasconcelos, de 21 anos, e Gabriel Molter Neves, de 26, na última terça-feira. Eles são suspeitos de terem matado a mãe da jovem, a comerciante Dircilene Botelho Garcia, 51, no município da Região Serrana, no último dia 2 de outubro. O casal teria assassinado a vítima usando formol, fitas e sacos plásticos, depois de surpreendê-la, provocando sua morte por asfixia.

De acordo com a Polícia Civil, Paloma e a mãe tinham brigas constantes. Após o crime, ela e o namorado modificaram a cena e prepararam o corpo da comerciante para dar a entender que ela teria morrido de causas naturais. Dircilene foi enterrada um dia depois do crime, no dia 3, depois que um médico atestou seu óbito sem ver sinais externos de violência em seu corpo.

O casal no quarto da vítima no momento do crime - Divulgação / Polícia Civil

No entanto, o corpo da vítima foi exumado depois que o viúvo, padrasto de Paloma, assistiu imagens do casal dentro do quarto da comerciante. Foi quando a prisão do casal foi decretada, na sexta dia 5, mas não pode ser cumprida por causa do período eleitoral, que determina que nenhum eleitor possa ser preso cinco dias antes e 48 horas depois de uma votação.

Ainda segundo a Polícia Civil, Gabriel e Paloma se aproveitaram da anistia do período e se apresentaram à 105ª DP na noite de sábado, confessando o crime e sendo liberados em seguida. Nesta terça, então, após o período eleitoral, eles foram capturados após negociação com familiares. Os dois vão responder pelo crime de homicídio duplamente qualificado.

Paloma e a mãe - Aquivo Pessoal

Galeria de Fotos

O casal de namorados Aquivo Pessoal
Casal foi flagrado por câmera instalada no quarto da casa da comerciante Divulgação / Polícia Civil
Paloma e a mãe Aquivo Pessoal

Últimas de Rio de Janeiro