Manifestantes fazem ato em frente ao supermercado em que jovem foi morto

Políticos, artistas e integrantes de movimentos sociais cobram Justiça e denunciam violência contra negras e negros

Por Beatriz Perez

Pedro Henrique Gonzaga
Pedro Henrique Gonzaga -

Rio - Centenas de manifestantes se reuniram em um ato, na tarde deste domingo, em frente ao supermercado Extra, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. Sobre um carro de som, integrantes de movimentos sociais, políticos e artistas denunciaram o que chamam de racismo institucional que provocou a morte do jovem Pedro Gonzaga, imobilizado por um segurança do Extra, e a menina Jeniffer, de 11 anos, morta em Triagem, ambos na última quinta-feira.

Na entrada do mercado, militantes gritavam palavras de ordem e policiais militares acompanharam a manifestação com duas viaturas. Em uma intervenção, um militar recolheu uma tinta guache usada para pintar a faixa de pedestres. Logo após, a tinta foi devolvida para outra pessoa do grupo. Por volta de 15h40, os manifestantes entraram no estacionamento do mercado, se posicionando na porta do estabelecimento, onde fizeram discursos e gritaram palavras de ordem.

Segurança acusado de assassinato em mercado tem condenação por agressão

A deputada estadual Monica Francisco manifestou sua indignação com execuções de jovens negros à revelia do sistema judiciário. "A gente tem um estado democrático de Direito. Não podemos aceitar que a propriedade privada valha mais do que a vida. A indignação maior é que só jovens negros fazem parte das estatísticas ascendentes de mortes violentas. Não podemos aceitar o estado dizer que a morte é a punição institucional no Rio de Janeiro", diz.

O youtuber Spartakus Santiagodeclarouque foi cobrar punições e soluções para crimes que vitimaram negros e negras no país. "Um jovem negro pode morrer nesse país simplesmente por existir. Ontem foi Pedro Gonzaga, amanhã pode ser eu, meu namorado, meus amigos. Para a gente, basta ser preto para ser bandido e a nossa sentença é de morte. Podem nos matar em lugar público e ninguém faz nada. Pior: ninguém é responsabilizado", diz.

Entre os presentes estavam o deputado federal David Miranda (PSOL-RJ) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e as deputadas estaduais Renata Souza e Dani Monteiro, também do PSOL.

 

O youtuber Yuri Marçal e as artistas do musical 'Elza' também compareceram. Não houve registro de confusão no ato.