Polícia busca pistas sobre paradeiro de amigos desaparecidos em Campo Grande

Rodrigo da Cruz Grijó, de 34 anos, e Edgard Barros Araújo, também 34, foram vistos pela última vez na Estrada do Mendanha sexta-feira à noite. Um deles tinha R$ 4 mil em dinheiro no carro

Por GUSTAVO RIBEIRO

Rodrigo da Cruz Grijó e Edgard Barros Araújo desapareceram na sexta-feira, 5 de abril
Rodrigo da Cruz Grijó e Edgard Barros Araújo desapareceram na sexta-feira, 5 de abril -

Rio - A Polícia Civil investiga o desaparecimento de dois amigos vistos pela última vez na última sexta-feira, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Segundo familiares, os servidores públicos Rodrigo da Cruz Grijó, de 34 anos, e Edgard Barros Araújo, também 34, passaram a tarde e parte da noite de sexta-feira na casa de um amigo na Estrada do Mendanha, altura do número 1.410, e deixaram o local por volta das 21h. Desde então, não foram mais localizados.

A servidora pública Carolina Campos, 41, mulher de Rodrigo, contou que os dois saíram da casa do amigo cada um em seu carro e deram a entender que iriam direto para casa. Rodrigo estava em um Ônix branco de placa LRM-3386 e Edgard em um Palio chumbo com placa KVA-3142. Ela acredita que o marido tinha cerca de R$ 4 mil em espécie no automóvel, porque ia comprar um computador no dia seguinte. A última mensagem que recebeu dele foi às 21h15, com o recibo de uma conta.

"No final da sexta-feira, eles foram instalar alguma coisa no computador do amigo em Campo Grande. Ele passou a tarde lá e a gente ficou se comunicando por mensagens normalmente. O dono da casa viu o Rodrigo e o Edgard irem embora e saiu logo depois pra comer com a filha no shopping. Quando saiu, viu que os carros já tinham ido embora. Nada atípico. A partir de então não tivemos mais contato", contou Carolina. Segundo ela, o marido não mencionou que passaria em algum lugar antes de ir para casa.

Ela disse ainda que a última mensagem recebida no celular de Edgard foi enviada às 22h pela namorada dele, mas não foi lida. Desde então, os celulares dos dois amigos estão desligados. Rodrigo é assistente administrativo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e está de licença para estudo. Ele mora na Tijuca com a mulher. Edgard, funcionário do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), mora em Quintino com um irmão.

Carolina registrou o caso na 19ª DP (Tijuca) e disse que parentes de Edgard fizeram registro na 24ª DP (Piedade). Uma inspetora da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA) chamou Carolina para prestar depoimento nesta segunda-feira. Informações podem ser dadas ao Disque-Denúncia (2253-1177). O anonimato é garantido.

Comentários