Polícia procura 'Zé do Rolo', que seria o responsável por prédios na Muzema

Até agora, desabamentos de dois prédios na favela da Muzema, no Itanhangá, contam 20 mortos. Ainda há desaparecidos

Por Maria Luisa de Melo e Rafael Nascimento

Zé do Rolo é um dos procurados
Zé do Rolo é um dos procurados -

Rio - Cinco dias depois do desabamento de dois prédios, na favela da Muzema, no Itanhangá, a Polícia Civil procura José Bezerra de Lira, conhecido como "Zé do Rolo" e "Zé Roleiro". Ele seria o responsável pelas construções que desabaram, deixando pelo menos 20 mortos. Através de anúncios na internet, a polícia investiga a participação de outras pessoas que possam estar envolvidas na venda de imóveis irregulares naquela região.

Segundo um morador ouvido pelo DIA, "Zé do Rolo" é morador da favela do Rio das Pedras, vizinha à Muzema. Ele mantém uma outra construção irregular na localidade conhecida como "Areal" - trecho da favela do Rio das Pedras que fica às margens da Lagoa da Tijuca. Ainda segundo este morador, que pediu para não ser identificado, Zé teria viajado para a Paraíba no dia seguinte à tragédia.

Nesta quarta-feira (27), bombeiros localizaram o 20º corpo entre os escombros. Segundo a Prefeitura, 16 prédios do Condomínio Figueiras do Itanhangá serão demolidos. Três deles são vizinhos aos dois que desabaram.

Venda de imóveis envolve construtoras de amigos de milicianos

Conforme o DIA já havia noticiado, os prédios que foram erguidos no Condomínio Figueira do Itanhangá foram construídos em um esquema que envolve milicianos e construtoras. Tudo isso sob a supervisão do chefe do grupo paramilitar que domina a área da Zona Oeste do Rio, o major da PM Ronald Paulo Alves lPereira, que está preso desde o início do ano. De acordo com moradores, que preferem não se identificar temendo represálias, os milicianos invadem os terrenos e passam para as construtoras de amigos. A Polícia Civil já sabe que há construtoras contratadas pelos milicianos, com nomes de construtores envolvidos nos empreendimentos.

"Dependendo do tamanho do terreno, a construtora entrega de quatro a cinco apartamentos naquele prédio", disse um morador.

O major Ronald fica com parte das transações, que são feitas pelos "soldados", como ele chama seus comparsas. 

Dentre as construtoras, duas se destacam: as dos irmãos Paulo e Danilo Ferro - que moram no condomínio -, além das de Raimundo Carneiro e Roberto Rodrigues. Roberto vendia os prédios nas redes sociais. Ele excluiu todos os perfis de suas redes socais desde o desabamento. Os prédios que desabaram na sexta teriam sido construídos por Raimundo.

"Eles são pedreiros e ficaram muito ricos desde que começaram a entrar nesse esquema", o morador acrescentou.

Os prédios que ruíram não estão oficialmente dentro do Condomínio Figueira do Itanhangá. Moradores afirmam que eles ficam em um terreno ao lado, mas uma rua foi aberta para que eles fosse integrados ao conjunto residencial.

Nenhuma residência tem documento oficial da prefeitura, que já avisou que as construções no local são irregulares. Alguns moradores tentam a regularização de seus imóveis por usucapião (posse pela utilização do imóvel por determinado tempo, contínuo e incontestadamente).

O corretor dos prédios foi identificado pelo nome de Valdecir. Um imóvel com três quatros, sala, cozinha, banheiro e garagem é avaliado por ele em de R$ 160 mil.

"Antes do condomínio existia uma pedreira na região e na área dos prédios havia um bambuzal. Atrás, há uma ribanceira. Ali não tem como fazer uma fundação capaz de aguentar essas construções", acredita o morador.

O DIA tentou entrar em contato com todas as pessoas citadas na reportagem. Entretanto, ninguém foi encontrado.

Comentários