Prefeitura pediu apoio da Polícia Militar durante a demolição dos prédios da Muzema

Trabalhos começam na manhã desta quarta-feira e servidores temem represálias da milícia, já que as edificações foram construídas pelo grupo de paramilitares

Por RAFAEL NASCIMENTO

Prédios desabam na Muzema
Prédios desabam na Muzema -

A Prefeitura do Rio pediu apoio ao 2º Comando de Policiamento de Área (Zona Oeste) da PM para fazer a segurança dos servidores durante a demolição dos prédios da Muzema, no Itanhangá, que começa na manhã desta quarta-feira. É que as construções são irregulares erguidas pela milícia e os profissionais temem represália por parte do grupo de paramilitares. 

Serão demolidos dois edifícios vizinhos aos que ruíram no último dia 12 com as fortes chuvas matando 24 pessoas. Na semana passada, milicianos intimidaram a imprensa, que teve que sair do local. Os profissionais cobriam os resgastes das vítimas.

O pedido de policiamento durante as demolições partiu do secretário municipal de Ordem Pública, o coronel Paulo Cesar Amendola. Mas, nesta manhã, apenas uma van da Guarda Municipal dava segurança aos servidores, que já começavam a preparar a derrubada dos empreendimentos ilegais.

Ao contrário do que a Prefeitura disse nos últimos dias, nesta quarta, apenas dois — dos 16 edifícios interditados — serão colocados abaixo. Outros sete serão escorados e não há data para que eles venham abaixo.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários