Presidente da Câmara de Vereadores de Nilópolis é preso em operação da Polícia Civil

Jorge Henrique Cruz (SD), o Dedinho, planejou o assassinato de seu rival, o também policial civil Roberto de Barros (PTB)

Por RAFAEL NASCIMENTO

Dedinho (foto) teria recebido apoio, em eleição na Câmara, de Betinho, a quem pretendia matar
Dedinho (foto) teria recebido apoio, em eleição na Câmara, de Betinho, a quem pretendia matar -
Rio - Policias civis da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) fazem, nesta quinta-feira, uma operação em vários pontos do Rio e da Baixada para cumprir quatro mandados de prisão e outros três de busca e apreensão. Na operação Dedo Podre, como foi batizada, um dos alvos é o presidente da Câmara de Vereadores de Nilópolis, Jorge Henrique da Costa Nunes (SD), conhecido como Dedinho. Ele foi preso pouco depois das 6h em casa, no bairro Olinda.
Outros procurados são Ronaldo Izidoro e Valdevar Pereira da Silva Júnior. Todos eles são investigados pelo planejamento do assassinato do vereador Roberto de Barros Batista (PTB), o Betinho, que também é policial civil.
A desavença entre os dois começou após Dedinho antecipar a eleição para o comando da Câmara de Vereadores. Isso teria irritado Betinho, que protocolou na Justiça um pedido para barrar a votação.
De acordo com as investigações, em represália, Dedinho mandou Ronaldo contratar Fernando Boia de Faria para executar Betinho por R$ 200 mil. Fernando terceirizou os serviços para uma outra pessoa, mas o plano não deu certo. Essa pessoa revelou o plano para o próprio Betinho, dizendo que Fernando foi contratado por Ronaldo para executá-lo.
Fernando acabou sendo morto pela própria organização por não ter conseguido matar Betinho. O motorista dele sofreu uma tentativa de homicídio.
"O Valdevar auxiliava a quadrilha vazando informações passadas pelo próprio Betinho sobre sua rotina", acrescenta o titular da DHBF, o delegado Moyses Santana. "O Dedinho está preso temporariamente e vai responder pelo crime de homicídio e as investigações continuam para apurar o envolvimento de outras pessoas e mais detalhes do plano".
Dedinho foi encontrado em casa - Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
AS BUSCAS
Dedinho recebeu os agentes, que também fazem buscas e apreensões em sua casa e encontraram cadernos com anotações. Eles também procuram por provas no gabinete do político, na Câmara de Vereadores.
Os policiais também estão em Duque de Caxias, ainda na Baixada; na Penha, Marechal Hermes e Vila da Penha, na Zona Norte da capital.
Roberto de Barros, o Betinho - Arquivo Pessoal
INVESTIGAÇÕES
As investigações começaram no ano passado, quando, em uma operação a Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA), foi apreendido um caderno de Ronaldo com anotações no Complexo da Penha. Nele, havia informações sobre o planejamento do crime contra Betinho.
De acordo com a Polícia Civil, durante as investigações, ficou claro que a organização criminosa criada por Dedinho comprova a existência de um problema antigo na Baixada Fluminense, onde matadores de aluguel organizam escritórios do crime para neutralizar rivais políticos.
O advogado do presidente da Câmara, Odair Lima, com o titular da DHBF - Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
DEFESA
O advogado de defesa de Dedinho, Odair Lima, disse que a investigação da Polícia Civil não tem "nexo".
"A comunidade sabe que ele é da paz e atuante e todos da cidade gostam dele. Ele é candidato a prefeito de Nilópolis e (a partir de agora) haverá denúncias falsas. São denúncias falsas que não existem e não há provas. Ele não mata nem uma barata. Desafeto político todos têm, mas não há nada de fato. Quando você trabalha para o povo você tem desafetos".
Já Antônio Carlos de Freitas, advogado de defesa do vereador, diz que o fato tem relação apenas com "uma briga política".
"O vereador sequer foi citado pelos fatos que foram narrados. Existe (no caderno apreendido) um 'D' que não sabe se é ele. Aí acaba gerando esse ódio que se tem vivido. Ele prestou esclarecimentos e não se negou a falar. Essa é uma prisão temporária (de 30 dias) que faz parte de inquérito. Ele foi preso para ser ouvido e não preventivamente. Ele colaborou. Isso não significa que seja ele o mandante. Ele nem conhece essa pessoa (que seria o mandante do crime). Isso é uma briga política. Ele, mesmo, em seu depoimento diz isso. Provavelmente é a oposição (que está criando). Ele não tem rixa com o vereador (Roberto de Barros). Ele até o apoiou quando ele lançou-se suplente ao Senado. Quando você quer mudar o sistema você sofre ataques. É preciso avaliar os fatos. No curso do processo vamos provar que ele não tem ligação com o crime. Não tem nada que prove. Hoje, vamos analisar as medidas processuais a serem tomadas para sua soltura", defende.
OUTRO CASO
O presidente da Câmara de Nilópolis já foi investigado em uma ação do Tribunal de Contas do Estado (TCE) por suspeita de desvios do dinheiro público em farras de viagens de parlamentares para fazer cursos pelo país. Em 2015, o tribunal determinou que ele apresentasse documentação que comprovasse os gastos ou devolvesse o equivalente a R$ 7,6 milhões aos cofres públicos.
Os técnicos do TCE ressaltam ainda que a Câmara foi inundada, por coincidência, em 10 de novembro de 2014, sete dias depois de ser anunciada a investigação pelo Tribunal e documentos foram destruídos. 
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Dedinho (foto) teria recebido apoio, em eleição na Câmara, de Betinho, a quem pretendia matar Reginaldo Pimenta
Roberto de Barros, o Betinho Arquivo Pessoal
O advogado do presidente da Câmara, Odair Lima, com o titular da DHBF Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Dedinho foi encontrado em casa Reginaldo Pimenta / Agência O Dia

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro