Ministros decidem pela soltura de militares envolvidos em fuzilamento

Apenas uma ministra foi favorável à prisão de todos os réus. Ministro que pediu vistas decidiu apenas pela prisão de tenente

Por RENAN SCHUINDT

Carro em que Evaldo estava foi alvo de cerca de 80 tiros
Carro em que Evaldo estava foi alvo de cerca de 80 tiros -
Rio - Os ministros do Superior Tribunal Militar (STM) decidiram pela liberdade dos nove dos 12 militares acusados de participação na morte do músico Evaldo Rosa e do catador Luciano Macedo, ocorridas no mês passado, em Guadalupe, Zona Norte do Rio. Por dez votos, o magistrados entenderam que o ideal seria o relaxamento da prisão. O alvará de soltura está sendo expedido, o que significa que os militares podem ser liberados a qualquer momento.
Em conversa com O DIA, o advogado da família de Evaldo, Andre Perecmanis, disse que encara a decisão com muita preocupação. "São famílias que já foram vítimas da ação do Estado. Esta seria uma excelente oportunidade para que o poder público tomasse uma decisão que lhes dessem um minimo de tranquilidade e proteção. Lamentavelmente, mais uma vez a Justiça toma uma decisão que vai deixa-los ainda mais desprotegidos. Agora, estão à merce dos seus algozes", disse. 
Ainda de acordo com o advogado, a viúva de Evaldo, Luciana Nogueira, está muito abalada com a decisão. Na audiência de oitivas, ocorrida na última terça-feira no Rio, ela chegou a passar mal e precisou de atendimento médico antes de dar seu depoimento.
Já o filho de criação do músico, disse à reportagem que se sente indignado. "Dá uma revolta muito grande. A justiça só serve para eles. Esse país não tem mais jeito", desabafou Daniel.
Antes da suspensão do julgamento do habeas corpus, quatro ministros já haviam votado a favor da liberdade dos militares. Apenas uma ministra havia se posicionado a favor da prisão. Na retomada de hoje, outros seis ministros foram favoráveis à soltura. Agora, a defesa terá um prazo para indicar suas testemunhas. Novas perícias devem ser realizadas antes da marcação do julgamento.

Comentários