Rennan da Penha divulga nova carta enquanto aguarda julgamento no STF

Ministros têm até quinta-feira, 29 de agosto, para julgar o recurso de um pedido de habeas corpus. Até a publicação deste texto, apenas a relatora, ministra Rosa Weber havia votado

Por O Dia

Fotos e vídeos íntimos do casal compartilhados nas redes
Fotos e vídeos íntimos do casal compartilhados nas redes -
Rio - O DJ Rennan da Penha escreveu mais uma carta a fãs e artistas para agradecer o apoio que tem recebido nas redes. A hashtag "Liberdade Rennan da Penha" tem sido compartilhada no Twitter e nas redes sociais desde a semana passada. Na sexta-feira, o Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar o recurso de um pedido de habeas corpus para o DJ.
A companheira de Rennan, Lorenna Vieira publicou o texto em suas redes. A carta é do dia 24 de agosto, dia em que o DJ completou quatro meses na prisão. Preso desde abril, Renan dos Santos, 26, está na penitenciária Bandeira Stampa, conhecida como Bangu 9, no Complexo de Gericinó.
"Talvez algumas pessoas não saibam, mas este lugar existe muito sofrimento e solidão, sofrimento não só para os presos e sim também para nossas famílias", escreveu o DJ do Baile da Gaiola. Rennan agradeceu nominalmente a alguns artistas. Ele citou Mc Smith, Mc Max, Isaac 22, Wendel Czr, Henrique da Vk, Jonni Kz e o Grupo Conexão dos DJs.
Leia a carta:
"Essa semana será julgado no STF um pedido de liberdade em meu favor. Com as postagens de vocês, amigos e fãs, e com a força de Deus, me sinto confortado. Com o apoio de vocês, eu creio que esse pedido possa dar certo", diz outro trecho da carta.
O pedido é analisado pela 1ª Turma do Supremo por meio de Plenário Virtual. Os ministros têm até quinta-feira, 29 de agosto, para julgar o recurso da defesa. Até a publicação deste texto, apenas a relatora, ministra Rosa Weber havia votado. Ela votou contra o recurso, posição que já era esperada já que ela mesma negou o pedido de habeas corpus em abril.
Na ocasião, a ministra justificou que a prisão não violava os princípios constitucionais, já que Rennan foi condenado em segunda instância. Agora, todos os ministros da 1ª Turma analisarão o pedido. Além dela, compõem a Primeira Turma do Supremo os ministros Luiz Fux, Marco Aurélio, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes.
Rennan da Penha foi condenado pela 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio a seis anos e oito meses de prisão apontado como 'olheiro' e acusado de organizar o Baile da Gaiola, que acontecia no Complexo da Penha, para beneficiar a atividade criminosa.

O funkeiro já havia sido preso neste processo em 2016 e, em seguida, absolvido na primeira instância por falta de provas. O Ministério Público entrou com recurso e a sentença foi revertida no Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) no dia 20 de março. 

Comentários