Pedreiro é morto com tiro na cabeça enquanto trabalhava na Vila Kennedy

Segundo um amigo, José Pio Baía Junior foi confundido com um traficante durante confronto na região. Moradores dizem que disparo partiu da polícia; Protesto contra morte interditou Avenida Brasil por quase quatro horas

Por Beatriz Perez

Júnior: mais velho de cinco irmãos
Júnior: mais velho de cinco irmãos -
Rio - Um homem de 45 anos foi morto com um tiro na cabeça enquanto trabalhava como pedreiro em cima de uma laje, no fim da manhã desta terça-feira, na Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio. Moradores interditaram a Avenida Brasil nos dois sentidos pouco antes das 12h. Um ônibus e pneus foram incendiados em protesto contra a morte de José Pio Baía Junior. A via foi totalmente liberada nos dois sentidos às 15h43.
De acordo com a Delegacia de Homicídios da Capital (DH) foi instaurado inquérito para apurar as circunstâncias da morte na Rua Etiópia, Vila Kennedy, em Bangu. "Equipes da delegacia realizam diligências para esclarecer o caso", diz a Polícia Civil em nota.

Galeria de Fotos

José Pio Baía Junior, 45 anos, foi morto enquanto trabalhava na obra de uma laje na Vil Kennedy, Zona Oeste do Rio Reginaldo Pimenta
Ônibus é incendiado na Avenida Brasil após morte de morador na Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Polícia Militar faz operação na Vila Kennedy, Zona Oeste do RIo, com apoio de helicóptero Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Polícia faz operação na Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Manifestantes incendeiam ônibus na Avenida Brasil, altura da Vila Kennedy, contra morte de morador Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Helicóptero da PM sobrevoa Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio Reprodução/WhatsApp O Dia - (21) 98762-8248
Helicóptero da PM sobrevoa Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio Reprodução/WhatsApp O Dia - (21) 98762-8248
Blindados circulam na Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio Reprodução/WhatsApp O Dia - (21) 98762-8248
Aglomeração em frente à laje, onde um pedreiro foi morto com um disparo na cabeça, na Villa Kennedy, Zona Oeste do Rio WhatsApp O DIA
Vizinhos e amigos transmitiram um vídeo em redes sociais indignados com a morte. Júnior era morador e conhecido por realizar obras na região.
"A polícia o confundiu com bandido por ele estar na laje. Ele estava a cem metros de distância de onde estava tendo um confronto com o tráfico, perto da região da boca de fumo, mas fora da linha de tiro", conta um amigo e vizinho que preferiu não se identificar.
Segundo o amigo, o confronto durou cerca de um minuto nas proximidades da Rua Gana e o disparo partiu da polícia. 
A Polícia Militar está no local com apoio de blindados e de um helicóptero. Confrontos entre policiais e traficantes foram registrados às 13h na Vila Kennedy.
Ônibus foi incendiado durante protesto na Avenida Brasil - Reprodução / GloboNews
O corpo do homem conhecido como Júnior ainda estava na laje às 15h30, segundo moradores. Ele trabalhava há meses em uma obra na laje de um bar na Rua Gana. 
Uma mulher se queixa de que a vítima estava trabalhando. "Ele estava trabalhando. Não merecia isso não. Mataram e nem socorreram ele", disse à imprensa que estava no local.
A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informa que, na manhã desta terça-feira (3/9), policiais 14º BPM (Bangu), realizavam uma operação na comunidade Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio, na saída da Avenida Brasil, quando criminosos armados atiraram contra os militares.
Posteriormente, o comando o batalhão foi informado que um homem estaria ferido. "Imediatamente, ele enviou uma equipe ao Hospital Municipal Albert Schweitzer, para verificar o fato", diz a nota. A ocorrência está em andamento, acrescenta a Polícia Militar. 
Moradores da Cidade de Deus protestam contra ação que derrubou casas 
Moradores da Cidade de Deus fizeram uma manifestação, na manhã desta terça-feira, interditando por cerca de 1h30 a Rua Edgard Werneck e a Estrada Marechal Miguel Salazar Mendes de Moradores, duas das principais vias que cortam a comunidade da Zona Oeste do Rio. Os moradores dizem que blindados da Polícia Militar derrubaram moradias durante a entrada do Bope em vielas da comunidade.
A Polícia Militar informou que equipes do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq) e do 18º BPM (Jacarepaguá) fizeram um "cinturão tático" para acabar com a manifestação que tentou "impedir a operação do Bope na comunidade".
"Na localidade conhecida como Rocinha 2, o veículo blindado de transporte de tropa ficou preso em fios elétricos. Dois policiais desembarcaram para retirar os fios com segurança, porém ao sair daquele local, o blindado chocou-se com algumas moradias. A Polícia Militar esclarece que entrará em contato com os moradores e irá ressarcir os danos provocados pela passagem do blindado", a PM disse, em nota.

Comentários