Mais Lidas

Professoras do município bombam no Instagram

Docentes da rede pública compartilham experiências e ganham seguidores na internet

Por Waleska Borges

A professora Priscilla Almeida, do CIEP Gregorio Bezerra, posta no Instagram suas vivências na escola
A professora Priscilla Almeida, do CIEP Gregorio Bezerra, posta no Instagram suas vivências na escola -

Rio - O que três professoras do ciclo de alfabetização (anos iniciais do ensino fundamental) de escolas da rede municipal do Rio têm em comum? Errou quem pensou que a resposta fosse apenas alunos, sala de aula e cadernos. Suellen Rocha, de 32 anos, Priscilla Almeida, de 38, e Marianne Figueiredo, de 26, bombam no Instagram. Juntas, elas têm quase 100 mil seguidores na rede social. Para essas professoras, o ensinar e o aprender alcançaram dimensões que vão além da transmissão de conhecimento ao aluno. Com ideias criativas, elas implantaram novas práticas para que os alunos aprendam, com ou sem deficiência, e caíram nas graças da internet.

As professoras contam que os estudantes são incentivados a colocar a mão na massa. Os efeitos positivos da prática são postados nas redes e têm atraído, a cada dia, novos seguidores. Foi assim com Suellen, docente há 11 anos na rede municipal, que dá aulas para o 1º ano do ensino fundamental da Escola Municipal Artur Azevedo. Ela começou a fazer as postagens em 2014. Atualmente, tem 46,2 mil seguidores no Instagram. São compartilhados as atividades feitas com os alunos nas escolas. Em uma das mais recentes, depois de abordar os contos clássicos na história "Era uma vez 1, 2, 3", a professora trabalhou com a linguagem não-verbal dos emojis, o que, segundo ela, a criançada adora.

Segundo Suellen, a atividade consistiu em reconhecer a mensagem no conjunto de emojis, reconhecendo o título de uma história infantil. "Os sorrisinhos de descoberta são a melhor parte. Fizemos coletivamente a compreensão de cada mensagem", contou empolgada.

Professora do 3º ano do Ciep Adelino da Palma Carlos, Marianne Figueiredo, de 26 anos, tem 26,8 mil seguidores no Instagram. Ela dá aulas na rede municipal desde 2016 e começou a fazer o diário das suas atividades com os alunos em 2017. Assim como as outras professoras, ela nunca pensou em se tornar uma famosa do Instagram e faz as imagens dos posts de seu próprio celular. Um de seus projetos que deu certo é a Maleta da Leitura. O aluno leva um livro para casa na segunda-feira e o devolve na sexta, quando faz a leitura do título para turma. Nessa mesma linha, Marianne desenvolve outras atividades em sala.

"Dessa forma, a criança é sujeito da sua aprendizagem. A Educação de hoje não pode ser mais como a de antes. Os alunos têm suas necessidades e dificuldades", avaliou Marianne. A professora contou que os estudantes se envolvem nas atividades e aprendem de maneira mais prazerosa.

A professora Priscilla Almeida, de 38, há sete na rede municipal, dá aulas no 2º ano do Ciep Gregório Bezerra. Ela estreou no Instagram em setembro do ano passado, mas já conta com 21 mil seguidores. Muitas das suas publicações são voltadas para educação inclusiva. Neste mês, por exemplo, colou nos cadernos dos alunos uma etiqueta lembrando o dia Internacional do Surdo, 30 de setembro.

Uma das atividades da professora, na semana passada, foi ensinar uma música em libras para seus alunos. "Trabalhando a empatia na sala de aula, conseguimos influenciar positivamente as crianças. A partir da educação, podemos mudar o mundo", avaliou.

Docentes têm seguidores do Brasil e do exterior

As professoras famosas no Instagram contam que a maior parte dos seus seguidores é de professores. Porém, há também os estudantes de pedagogia e outras áreas da Educação, além dos pais e responsáveis pelos alunos. Elas disseram ainda que os seguidores não estão restritos ao Brasil, há muitas pessoas que acompanham os trabalhos das docentes em toda parte do mundo.
 
"Eu mostro o que é real e aplicável. Não é algo fantasioso, mas aquilo que foi feito", explicou Suellen. A professor decidiu criar o perfil no Instagram para compartilhar boas práticas. "Compartilho experiências com pessoas de todos os cantos. Tem Amapá, Rondônia, Rio Grande do Sul e professores das redes públicas e privadas", contou.
 
Já Priscilla lembra que, quando criou o seu perfil, sentia falta de conteúdos sobre a Educação Inclusiva na internet. Por isso, começou a compartilhar suas experiências com a temática: "Hoje, tenho seguidores do Brasil, Estados Unidos, Canadá e Suécia', contou lembrando que foi reconhecida por seguidores na Bienal do Livro. "Meus gêmeos, de 15 anos, brincam dizendo que estou 'voando' na internet", comentou.
 
Tanto Suellen quanto Priscilla dizem que não estão ganhando dinheiro com a façanha. Elas disseram, porém, que ganham parcerias com materiais que são utilizados nas próprias salas de aulas. Marianne - a única que diz ter retorno financeiro por meio de seu blog online - conta que não planejava fazer sucesso, mas ter no Instagram um cantinho de recordação. "O bom é que descobri que há muito trabalho legal sendo feito nas escolas públicas", frisou.
 
Especialista diz que alunos não podem mais conviver com uma escola linear
 
Doutora em Educação pela PUC-Rio, Andrea Ramal, diz que em sala de aula há estudantes diferentes daqueles de décadas anteriores. Segundo ela, os alunos são cidadãos da cibercultura - que surgiu a partir do uso da rede de computadores e de outros suportes tecnológicos. Ainda de acordo com a especialista, atualmente, os alunos se relacionam com o conhecimento de uma forma mais ativa e interativa.

"Os alunos não podem mais conviver com uma escola linear, em que o professor fala e o aluno ouve, anota e estuda para uma prova", explicou Andrea. De acordo com ela, quanto mais a escola se abrir para a interatividade, sendo o lugar de múltiplas vozes, no qual uns aprendem com os outros, com a orientação do professor, melhor os estudantes irão aprender.

Ainda conforme a especialista, existe a proposta da Sala de Aula Invertida, que é o estudo de conteúdos básicos antes das aulas, a partir de recursos como vídeos, textos, áudios e games. Já em sala, o professor aprofunda o aprendizado com exercícios, estudos de caso e conteúdos complementares. Além disso, esclarece dúvidas e estimula a troca entre os alunos, fixando a aprendizagem. Segundo Andrea, a metodologia funciona bem também para o ensino à distância por utilizar recursos tecnológicos que favorecem o empenho e a participação do estudante.

"As aulas são mais produtivas e participativas, menos expositivas. Os alunos se engajam mais no conteúdo e os professores precisam de menos tempo para explicar conceitos básicos", destacou Andrea.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

A professora Priscilla Almeida, do CIEP Gregorio Bezerra, posta no Instagram suas vivências na escola Ricardo Cassiano
Marianne Figueiredo dá aulas no Ciep Adelino da Palma Carlos Reprodução

Comentários