Apreensão de fuzis pela Polícia Militar bate recorde histórico

Em 2019, corporação apreendeu 400 unidades até esta quinta-feira

Por O Dia

-

Rio - A Polícia Militar bateu ontem a marca de 400 fuzis apreendidos no Estado do Rio somente neste ano. O número representa um recorde desde 2008. Durante todo o ano passado, a PM apreendeu um total de 330 fuzis.

Para o major Raphael Batista, um dos porta-vozes da PM, o número é reflexo de três fatores — mais autonomia da polícia, maior aporte de equipamentos, sobretudo viaturas, além da opção por reforçar as vias expressas. "A maior autonomia que a PM tem na atual gestão nos dá muito mais celeridade para agir. Isso é fundamental e produz resultados", destacou.

A maior parte dos fuzis apreendidos é do tipo AR-15/M16, AK-47, FAL, AR-10 e AR-15. Uma das maiores apreensões deste ano foi durante uma megaoperação no Complexo da Maré, com agentes das secretarias de Polícia Civil e da Polícia Militar. Em um único dia, foram apreendidas 30 armas, sendo 23 fuzis. Este foi considerado o maior saldo operacional registrado na história do Estado do Rio em uma só ação. "É importante frisar que o mesmo armamento custa até cinco vezes mais no mercado negro", explicou Batista.

O major ainda credita o êxito das apreensões ao fato da polícia estar mais equipada neste ano, com veículos comprados durante a intervenção federal, que terminou no ano passado. De acordo com Batista, foram mais de 1,3 mil veículos entregues à corporação só neste ano — 939 sedãs de patrulha e 443 patamos.

Alto valor de mercado

De acordo com a PM, um dos fuzis mais usados no estado, o de calibre 762, tem preço comercial de R$ 7 mil a R$ 10 mil no mercado convencional. Já no comércio ilegal, o valor pode chegar a R$ 50 mil.

Quatro batalhões

Para o antropólogo e especialista em segurança pública, Paulo Storani, ex-oficial do Batalhão de Operações Especiais (Bope), o número de fuzis apreendidos pela PM este ano equivale ao quantitativo de fuzis de quatro batalhões.

"O número é realmente um recorde, mas traduz a dimensão de um grave problema. Ainda não sabemos quantos armamentos como esses, desenvolvidos para militares em guerra, estão na mão de criminosos. Isso é muito grave. O trabalho da polícia é excelente. Mas é necessário que haja uma maior atuação nas rotas usadas pelos criminosos para traficar tais armamentos", diz. "Enquanto a lei for permissiva, mantendo preso por pouco tempo quem porta tais armamentos, essa guerra não vai terminar nunca", completou.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários