Você vai de Uber? Então, leia

Depois de ficar desempregado, vendedor passou a dirigir Uber e a promover a leitura, distribuindo livros de graça a passageiros

Por Waleska Borges

Motorista de app que distribui livros para seus passageiros
Motorista de app que distribui livros para seus passageiros -

Não se surpreenda caso venha a pegar um Uber pelas ruas do Rio e se deparar com a pergunta: "Você aceita um livro ou uma revista?". É assim que o motorista Eduardo Peixoto Dias, de 60 anos, o Duca, recepciona os passageiros que embarcam no carro dele.

Desde 2016, quando ficou desempregado, em meio à crise econômica, ele se tornou motorista do aplicativo e passou a promover a leitura sobre quatro rodas. Na parte traseira do veículo de Duca, os livros são deixados à mostra e são dados de presente para quem quiser levar. O motorista, que já contabiliza 7.700 viagens feitas nesse trabalho, coleciona histórias de passageiros surpresos com a iniciativa.

"Primeiro, pergunto se a pessoa quer um livro ou uma revista; depois, aviso que também tem balinha e água no carro", conta, orgulhoso, o ex-vendedor. A trajetória do motorista foi motivada pela filha Bárbara, de 31 anos, que é amante dos livros e trabalha em uma editora. "Estava conversando com ela sobre o que eu poderia fazer de diferente no Uber, quando tivemos essa ideia", contou, lembrando que a filha lê entre 30 e 40 obras por ano.

Segundo Eduardo, os livros oferecidos aos passageiros são de variados títulos, desde romances até biografias. Ele consegue os livros em sebos, por doação de amigos e até de passageiros. Esta semana, o carro de Duca contava com títulos de Agatha Christie, uma das principais autoras de romances policiais, além de 'Fernão Capelo Gaivota', clássico de Richard Bach.

"Não coloco no carro apenas aquilo que eu gosto de ler. Meu objetivo é incentivar a leitura para gostos variados", explicou. Atualmente, quando consegue um intervalo entre uma corrida e outra, Duca está lendo 'O dono do morro', de Misha Glenny, que conta a história de um líder do tráfico de drogas da Rocinha. "Para mim, a leitura é como se estivesse dando um refresco para o cérebro".

Com a atitude do motorista, ele vai colecionando simpatizantes pelo caminho. Certa vez ele levou um senhor até a Ilha do Governador, junto com a filha. No fim da corrida, o passageiro pediu que ele aguardasse. Em seguida, o motorista foi presenteado com várias publicações doadas pelo homem. Outra satisfação, segundo Duca, ocorreu quando, ao final de um trajeto, escutou uma frase da jovem passageira: "Olha, moço, não gosto muito de ler, mas o senhor me contagiou. Vou levar um livro".

O motorista relata que os passageiros ficam gratos e fazem elogios a ele no aplicativo. "Motorista gente boa demais! Sem contar que ele teve uma ideia incrível de fazer um sistema de troca de livros no seu próprio carro. Inspirador! Sempre feliz quando uma simples viagem se torna um encontro único", comentou um passageiro. Recentemente, um ator global fez elogio ao motorista e postou em seu Instagram.

"Me sinto como aquele passarinho que carrega água no bico para apagar um incêndio. Fico feliz por contribuir para a apreciação da leitura", justificou.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro