Câmara de Queimados aprova afastamento de prefeito

Carlos Vilela é suspeito de não fazer repasses à previdência de servidores de Queimados

Por O Dia

Carlos Vilela nega acusações e diz que sofre perseguição política
Carlos Vilela nega acusações e diz que sofre perseguição política -
Rio - A Câmara Municipal de Queimados, na Baixada Fluminense, aprovou o afastamento temporário, nesta terça-feira, do prefeito Carlos Vilela (MDB). Ele, que é suspeito de não fazer repasses à previdência dos servidores daquele município, ficará ausente do cargo por 180 dias.
A comissão da Casa investigará a infração politico-administrativa contra o prefeito por falta de repasse de cerca de 48 milhões de reais ao PREVIQUEIMADOS (Instituto de Previdência dos Servidores do Município) e não cobrança de débito sobre serviço (ISS).
Na plenária, nove vereadores votaram a favor do afastamento, seis foram contrários, um parlamentar se absteve e outro faltou.
Em nota, o prefeito informou que recebeu com surpresa o afastamento "Ainda não fui notificado oficialmente pela Câmara de Vereadores e, tão logo seja, irei recorrer prontamente à justiça. Estou com a consciência tranquila, pois não cometi nenhum tipo de desvio. Caráter, honestidade e integridade são valores que aprendi com meus pais desde a infância e carrego comigo ao longo de toda a vida", disse Carlos Vilela, no texto. 


Comentários