Funcionários da Cedae prestam depoimento na Cidade da Polícia

Também nesta sexta, policiais voltaram à Estação de Tratamento do Guandu para continuar as investigações sobre a qualidade da água fornecida pela companhia

Por RAI AQUINO e RACHEL SISTON*

Depoimento acontece na Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados
Depoimento acontece na Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados -
Rio - O ex e o atual chefe da Estação de Tratamento do Guandu, Júlio Cesar Antunes e Pedro Ortolano, respectivamente, e o coordenador de Operação de Tratamento da CedaeWellis Rodrigo da Silva Costa, prestam, neste momento, depoimento à Polícia Civil sobre a investigação da qualidade da água da companhia. Eles estão na Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD), na Cidade da Polícia, no Jacaré, na Zona Norte do Rio, desde meados das 10h.
Além do depoimento, ainda nesta sexta, agentes da DDSD voltaram à estação, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, para continuar as investigações do caso no local. A especializada investiga um possível envolvimento criminoso de funcionários ou de terceiros que possam ter contribuído para alterar a água distribuída pela Cedae.
"Ontem já colhemos algumas declarações e hoje, no decorrer do dia, continuaremos com as oitivas", disse a delegada Josy Lima.
CARVÃO ATIVADO
No total, a estação vai receber um silo, dois tanques de preparo, caixa dosadora e uma bomba. O maquinário, que foi dividido entre três carretas, é um sistema de preparação e aplicação do material, que será acoplado à linha de produção para que a água seja filtrada. O restante do equipamento está previsto para chegar a Guandu ainda neste fim de semana.
De acordo com a companhia, o maquinário será montado imediatamente para que o carvão seja aplicado no início do tratamento da água (caixa de chegada) a partir da próxima semana. O produto e o equipamento foram comprados na última sexta-feira.
Já o carvão ativado saiu do Paraná no início da tarde e tem previsão de chegada na estação na tarde deste sábado.
O anúncio de que o carvão ativado iria ser adotado permanentemente no tratamento da água da Cedae foi feito na quinta-feira da semana passada. A medida será adotada para reter a geosmina (uma substância orgânica produzida por algas), que tem causado cheiro forte e turbidez na água distribuída no estado. A empresa tem reforçado que a geosmina não apresenta risco à saúde da população.
A iniciativa da Cedae veio depois que consumidores de vários bairros da capital e da Baixada Fluminense reclamaram da cor turva e do cheiro forte da água que chega às torneiras.
Procurada pelo DIA, a Cedae ainda não se manifestou sobre o depoimento de seus funcionários na Cidade da Polícia.
* Estagiária sob a supervisão de Gustavo Ribeiro
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Depoimento acontece na Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados Rachel Siston / Agência O DIA
Equipamento que será usado para a adição de carvão ativado no tratamento da água da Cedae Reprodução / Internet
Equipamento que será usado para a adição de carvão ativado no tratamento da água da Cedae Reprodução / Internet
Depoimento acontece na Cidade da Polícia Divulgação

Comentários