Justiça nega pedido de greve de guardas municipais no Rio

Resolução também determina que os servidores poderão ter o salário descontado em caso de paralisação

Por O Dia

Guardas Municipais em estado de Greve,fazem passeata da sede da guarda até a prefeitura do Rio.  Av. Francisco Bicalho.
Guardas Municipais em estado de Greve,fazem passeata da sede da guarda até a prefeitura do Rio. Av. Francisco Bicalho. -
Rio - O Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) negou, nesta segunda-feira, o pedido de uma comissão representante de guardas municipais para que a categoria realizasse greve. A decisão é do desembargador Claudio de Mello Tavares, que considerou que a Guarda Municipal integra as forças armas e, por isso, não pode entrar em greve. A resolução também determina que os servidores poderão ter o salário descontado em caso de paralisação.
Dentre as reivindicações, a comissão requereu o fim da estagnação da carreira que já perdura dez anos, com implementação e reconhecimento as promoções dos guardas, conforme proposta aprovada pela categoria no ano de 2018; reajuste do ticket alimentação; convocação dos aprovados no concurso público de 2012; aposentadoria especial por risco da atividade; e a direito ao curso de tiro e porte de arma de fogo. 
Greve no Carnaval
Em fevereiro, cerca de cem guarda municipais ameaçaram entrar em greve durante todo o carnaval. Os guardas municipais se se reuniram em frente à sede da corporação, em São Cristóvão, na Zona Norte da cidade. A corporação, no entanto, informou que o movimento Frente Manifestamente não é uma entidade sindical e não representa a maioria do efetivo. 

Comentários