Instituto de Química produz álcool para desinfecção em unidades de saúde da Uerj

Cerca de 15 pessoas, entre professores, técnicos e alunos vão se revezar na fabricação, que deverá atender à demanda das unidades de saúde da Universidade

Por O Dia

Instituto de Química
Instituto de Química -
Rio - Diante da falta de álcool 70% no mercado, uma equipe coordenada pelo Instituto de Química (IQ) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) decidiu preparar o produto, utilizando insumos que já estavam disponíveis nos laboratórios da unidade. Cerca de 15 pessoas, entre professores, técnicos e alunos vão se revezar na fabricação, que deverá atender à demanda das unidades de saúde da Universidade.
"Para evitar aglomeração, pensamos em um rodízio entre os grupos de trabalho, de forma a mantermos a produção em dia", afirmou o diretor do IQ, Alexsandro Araújo. Nesta terça (24), começou a ser feita a versão líquida, obtida a partir da diluição de álcool 96%. O produto será destinado ao Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe) e à Policlínica Piquet Carneiro (PPC), para limpeza de superfícies. "A necessidade diária no hospital é de 25 litros, mas a ideia é entregarmos uma quantidade maior, com antecedência", explicou o professor.
Ainda nesta semana, a equipe começa a preparar também o álcool glicerinado 80%, para desinfecção de mãos. Para este fim, o produto é preferencialmente indicado, por ser menos volátil, permanecendo mais tempo na pele, além de conter emolientes que hidratam e evitam o ressecamento. É uma alternativa ao álcool gel 70%, que requer a substância denominada carbopol – escassa no momento devido à alta procura em todo o mundo –, além de autorização prévia da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). "Estamos contando com total apoio do Centro de Tecnologia e Ciências (CTC), Hupe e Reitoria para a aquisição dos insumos necessários", ressalta o diretor do IQ.
A população pode contribuir com a doação de galões de água mineral (a partir de cinco litros) limpos, vazios e com tampa, para o armazenamento da água destilada usada no processo. Os recipientes devem ser entregues na portaria do Pavilhão Haroldo Lisboa da Cunha (Haroldinho), no campus Maracanã, das 9h às 17h, aos cuidados do professor Jefferson Gois.

Comentários