Polícia estoura fábrica clandestina de álcool em gel na Baixada

Local não possuía qualquer licença da Vigilância Sanitária para produção, armazenagem e venda do produto

Por O Dia

Local funcionava em um galpão no Centro de Mesquita
Local funcionava em um galpão no Centro de Mesquita -
Rio - Agentes da 53ª DP (Mesquita), na Baixada Fluminense, interditaram, nesta quarta-feira, uma fábrica clandestina de álcool em gel. O local funcionava em um galpão, localizado no Centro da cidade, e produzia o produto falsificado. Ninguém foi preso. 
De acordo com a Polícia Civil, os agentes descobriram a fábrica após receberam denúncias sobre o funcionamento dela. O local não possuía qualquer licença da Vigilância Sanitária para produção, armazenagem e venda de álcool em gel.
No galpão, os policiais apreenderam uma grande quantidade de queratina (gel) e álcool (líquido), além de frascos e rótulos para a embalagem do produto falsificado. O álcool em gel produzido no local era distribuído em toda a Baixada.

Galeria de Fotos

Local funcionava em um galpão no Centro de Mesquita Divulgação / Polícia Civil
Local funcionava em um galpão no Centro de Mesquita Divulgação / Polícia Civil
Local funcionava em um galpão no Centro de Mesquita Divulgação / Polícia Civil
Local funcionava em um galpão no Centro de Mesquita Divulgação / Polícia Civil
A polícia interditou a fábrica e investiga os possíveis responsáveis pelo local. Se identificados, eles podem ser autuados por crime contra a saúde pública, que tem pena prevista de 10 a 15 anos de prisão.
"A Polícia Civil alerta toda a população para evitar adquirir álcool gel que não contenha informações mínimas do fabricante sobre o produto, bem como o devido selo do Inmetro", a corporação avisa.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O DiaFaça uma contribuição

Comentários