Em 'Quarentena', músico da Cidade de Deus conscientiza e faz críticas   - Reprodução internet
Em 'Quarentena', músico da Cidade de Deus conscientiza e faz críticas Reprodução internet
Por RENAN SCHUINDT
Rio - "Alguém avisa pra esses 'cara' que a gripe é mundial e a cada dia o número de infectados dispara". Este é um dos recados de MV Bill em seu mais novo single, lançado hoje, no YouTube. Em 'Quarentena', o rapper carioca informa sobre a pandemia causada pelo novo coronavírus e a importância de seguir as orientações de autoridades sanitárias de todo o mundo. Ao O DIA, ele diz que sua maior preocupação é que o foco mude e que as autoridades culpem os moradores de favelas pela disseminação da covid-19.
Crítico, característica que marca sua carreira, o músico da Cidade de Deus - primeira favela carioca a ter registro de covid-19, afirma na música: "Quem tem noção do vírus, tá com medo, tá com pressa". Além de conscientizar o público, MV Bill questiona a falta de condições de prevenção nas favelas, o baixo número de leitos disponíveis e a falta de conhecimento dos governantes sobre a doença. "Não é um recado só para o presidente. Mas, para todos os gestores públicos, inclusive o Trump (presidente dos Estados Unidos), que foi o primeiro a achar que era uma gripe no diminutivo", explica. 
Publicidade
Sobre os cuidados do poder público com as áreas mais pobres, ele é direto. "A falta de cuidado com os favelados não é só durante essa pandemia. O Brasil é isso. Não teve nenhum plano concreto para a proteção dos moradores. Na Cidade de Deus, por exemplo, tem lugares que a água não chega. Como vão se proteger? Tem uma localidade - o Brejo -, onde o esgoto passa na porta das casas. O perigo de contágio por outras doenças também é grande", desabafa. 
Para o músico, o impacto causado pela pandemia, deixará sequelas. "Nunca mais seremos os mesmos. Nossa forma de agir mudou. O coronavírus vai deixar mais do que a lição do álcool em gel".
Publicidade
CRIATIVIDADE AGUÇADA
Bill conta que o período de quarentena mexeu com seu lado criativo e que viu na composição a chance de informar e ao mesmo tempo cobrar soluções. "Estou acompanhando esse movimento relacionado ao vírus desde o final do ano passado e notei que por aqui a mobilização foi muito pouca. Isso ficou na minha cabeça por algum tempo. Com tempo de sobra, comecei a mexer em algumas batidas que foram enviadas pelo DJ Mortão (Goiânia) e que eu ainda não havia escutado. Achei essa, que é bem pesada e que merecia uma letra nesse tom", diz. 
Publicidade
PROCESSO DE GRAVAÇÃO
A música e o vídeo foram gravados pelo próprio MV Bill, dentro de seu apartamento, na Zona Oeste do Rio, em função do isolamento social sugerido pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O equipamento foi emprestado pelo cineasta e amigo, Rodrigo Felha, com quem já trabalhou em outros vídeos, inclusive, no filme 'Falcão - Meninos do Tráfico'.
Publicidade
"O Felha veio aqui, deixou a câmera e me instruiu. Eu já tinha uma certa experiência, mas as dicas sempre valem. Eu fiquei com mais medo da contaminação. Desinfetei tudo antes de começar o trabalho. O processo de pós-produção foi todo à distância, via internet, e levamos uma semana até o lançamento. Isso, porque eu sabia da mudança constante dessa pandemia, o que significa que amanhã a quarentena pode nem existir mais. O momento de informar é esse", afirma MV Bill.