Prefeito Marcelo Crivella fará o teste para Covid-19

Exame será feito após as secretárias de Saúde e Educação do município terem apresentado sintomas para o novo coronavírus

Por Bernardo Costa

Patricia Guttmann, coordenadora de vigilância em saúde
Patricia Guttmann, coordenadora de vigilância em saúde -
O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, fará nesta terça-feira o teste para verificar se está contaminado pelo novo coronavírus. A suspeita é reforçada pelo fato de três profissionais do alto escalão do governo municipal estarem com suspeita para a Covid-19: a secretária municipal de Educação, Talma Suane, a infectologista Patrícia Guttmann, superintendente de Vigilância em Saúde, e a secretária municipal de Saúde, Beatriz Busch, que ontem passou por tomografia. O exame sugeriu infecção por coronavírus, mas o resultado ainda não é definitivo. Todas estão cumprindo quarentena em casa. 
Diante das suspeitas, o prefeito usou máscara durante entrevista coletiva online, na manhã desta terça-feira. 
"Vou testar hoje, pois estivemos muito próximos desde o início desta crise", disse Crivella. 
Sobre os equipamentos de proteção individual, o prefeito informou que foram comprados R$ 30 milhões de fornecedores chineses. A previsão é que o material, que inclui respiradores mecânicos, seja entregue no fim de abril. 
"Antes dessa crise, adquirimos 806 respiradores mecânicos. Estamos negociando com as Forças Armadas para que possam mandar um avião para buscar esses equipamentos o quanto antes. Hoje, na China, há um monte de equipamento para ser enviado ao mundo inteiro, mas podemos antecipar a entrega com o apoio das Forças Armadas", disse Crivella.
Segundo Ivo Remuszka, subsecretário de Gestão da Secretaria municipal de Saúde, que também participou da coletiva online, 30 respiradores mecânicos foram entregues esta semana e vão abastecer o Hospital Ronaldo Gazolla, em Acari. 
"No dia 20 de abril, teremos outros 300 respiradores que compramos na China disponíveis para podermos coletar na China via Força Aérea Brasileira e Exército", informou Ivo Remuszka.
Sub-notificação de casos 

O prefeito admitiu que há sub-notificação na cidade do Rio para casos de Covid-19. Segundo Crivella, os números que estão sendo divulgados pela prefeitura (555 casos confirmados e uma morte na rede municipal), representam 15% da realidade da pandemia no município.
"Porém, se formos olhar as internações e casos de CTI, me parece que as medidas que estamos tomando têm preservado vidas. Neste momento, não estamos com nossos leitos de CTI superlotados. Ainda temos vagas para para quem precisar", avaliou Crivella. 
Para Alexandre Campos, médico e membro do Gabinete de Crise da Prefeitura, a situação da rede pública municipal é segura. 
"Não dá para chamar de confortável, mas temos um situação segura. Temos uma preparação que vai andando na velocidade em que os casos vão acontecendo. E, até o momento, ela tem se mostrado adequada", disse Alexandre. 
Fundo de apoio 
Sobre a criação do Fundo Emergencial de Combate à Covid-19 (Fecc), Projeto de Lei aprovado ontem pela Câmera Municipal, o prefeito informou que pretende regulamentá-lo nesta terça-feira. 
"Nossa intenção é divulgar amanhã o número da conta bancária para que as empresas e pessoas físicas possam fazer doações. Não há valor mínimo nem máximo. Toda ajuda é bem-vinda neste momento", disse Crivella.

Galeria de Fotos

Patricia Guttmann, coordenadora de vigilância em saúde Reprodução
Prefeito Marcelo Crivella usou máscara durante coletiva online na manhã desta terça-feira Reprodução

Comentários