Projeto prevê cremação com menos burocracia

Se o texto for aprovado, bastará uma declaração simples para cerimônia

Por Letícia Moura*

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) deve votar, na próxima quarta-feira, um projeto de lei (PL) que visa facilitar o processo burocrático da cremação dos corpos das vítimas de coronavírus. Se for aprovado, uma declaração simples será suficiente e não haverá necessidade de reconhecimento de firma. Atualmente, para que o corpo seja cremado, um parente de grau direto com a vítima e duas testemunhas, ambos com firma reconhecida em cartório, precisam de declaração. No entanto, os cartórios seguem fechados por não serem considerados serviços essenciais, o que dificulta as cremações.
O deputado estadual Alexandre Knoploch (PSL), autor do PL, disse ainda que devem haver emendas "para que coloquemos tudo que é questão de enterro nesse projeto, com objetivo de desburocratizar e evitar o contágio da doença nos profissionais que têm contato com os corpos", explica.

Knoploch lembra da dificuldade para enterrar os corpos, na Itália, durante a pandemia. "O projeto é importante, sempre visamos salvar vidas, mas estamos tentando dar o máximo de conforto para as famílias que perderam seus entes queridos para que não tenhamos o mesmo problema da Itália".
*Estagiária sob supervisão de Luiz Almeida

Comentários